História e Património das "Terras de Algodres"
(concelho de Fornos de Algodres)
ed. Nuno Soares
Contacto: algodrense(at)sapo.pt
Quarta-feira, 27 de Julho de 2005
...

Forcadas1.JPG

Necrópole medieval  (sécs. VII – IX ?)     Forcadas (Matança).



publicado por algodrense às 20:25
link desta entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito

Algodres radical.

Alcandorada no topo da íngreme Barroca,  Algodres é também procurada pelos amantes dos “desportos radicais”, como pode ler-se aqui.


temas:

publicado por algodrense às 20:21
link desta entrada | comentar | favorito

Escrita em dia.
 Este blog é um projecto pensado para o longo prazo, sem grandes preocupações com a frequência das entradas.  Mas, em tempo de férias, a actividade bloguística é ainda mais reduzida; seja pelo gozo das ditas, seja pelo excesso de trabalho que recai sobre os que se mantêm no seu posto.  Esperam-se melhoras lá para meados de Setembro...

No passado dia 13, finou-se o Arqueoblogo, um dos “clássicos” da nossa blogosfera e um sítio de referência em matéria de Arqueologia e Património da Beira Interior.  Como “nada é para sempre”, nem mesmo as ausências, o link para o Arqueoblogo ali fica, na esperança de que o Marcos Osório o venha a ressuscitar.


Fomos brindados com mais um link num blog BB (Bom e Beirão, claro...).  O nosso muito obrigado ao dinâmico responsável pela Sebentaria.


Informa a lista Archport que a ARA - Associação de Estudo Desenvolvimento e Defesa do Património da Beira Interior -  já tem à venda o volume das actas das II Jornadas de Património da Beira Interior, realizadas na Guarda, em Outubro de 2004 e subordinadas ao tema “Lusitanos e Romanos no Nordeste da Lusitânia”.  Podem também ser adquiridas junto da ARA as actas das I Jornadas de Património da Beira Interior e o Catálogo da exposição itinerante  25 Sítios Arqueológicos da Beira Interior.  Esta exposição irá estar patente no CIHAFA (Centro de Interpretação Histórica e Arqueológica de Fornos de Algodres), entre 08 e 22 de Outubro p.f..


Mais informações pelo mail:  associacaoara(at)hotmail.com. 



publicado por algodrense às 20:09
link desta entrada | comentar | favorito

Sexta-feira, 8 de Julho de 2005
Muito obrigado!

Ao Blog do Alex, pela simpática referência de 25 de Junho p.p. e ao beirão Joaquim Batista, que cometeu a imprudência de nos brindar com um link no Idanhense.



publicado por algodrense às 06:45
link desta entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 7 de Julho de 2005
...

Castelo-origami.JPG


Castelo  em  origami   -   por  Luz Rocha


Exposição: “Ao alcance de uma folha de papel”,


patente no CIHAFA até 30 de Setembro de 2005


(mais informações no site da CMFA).



publicado por algodrense às 00:23
link desta entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito

O Castelo de Algodres.

 

 

 colaboração de  Albino Cardoso

 

  

 

Sendo comprovadamente Algodres uma vila muito importante pelo menos desde o século XII, por que razão não tem, assim como as vilas vizinhas: Linhares, Celorico e Trancoso um castelo, ou ruínas dele?

 

 

 

Quanto a mim e corroborando a tradição oral teve-o: “e com as suas pedras se construiu a igreja da Misericórdia no século XVII” (MARQUES, Terras de Algodres, 1938). Questionamo-nos então: seria um castelo tão pequeno que unicamente deu para construir a igreja?

 

 

 

 Na realidade eu creio que Algodres terá sido fundada durante a romanização, tendo por sua vez os conquistadores suevos ou godos, quando convertidos ao cristianismo, aí instituído uma igreja junto a qual cresceu a povoação, por essa altura não seria muito grande mas era na igreja de Santa Maria que receberiam os sacramentos os povos já convertidos das antigas “villae fundadas pelos romanos” da nossa região.

 

 

 

É muito provável que, e embora com alguns intervalos, esta região tenha continuado a prosperar durante o domínio muçulmano: a tradição, as lendas e toponímia, entre a quais a da própria vila, a essa conclusão nos levam. Creio que terá sido a partir dessa altura que se começaria a notar a falta de algum sistema defensivo para proteger os habitantes do lugar. Nesses tempos era dentro das igrejas que se fortificavam as gentes nas povoações relativamente pequenas, pois eram edifícios sólidos e com relativamente poucas aberturas. No entanto, com o passar do tempo e com crescimento da vila, deverá ter-se construído uma torre com algumas muralhas junto da igreja, onde hoje se encontra a Misericórdia  “que o povo chama lugar do castelo” .

 

 

 

Há algum tempo atrás investigando a área e descendo pela quelha junto ao adro da referida Igreja da Misericórdia pude ver e fotografar um muro relativamente alto e que é o suporte do referido adro. Sem querer afirmar, presumo que esse muro será parte da antiga muralha do castelo de Algodres (deixo aos especialistas o estudo e a confirmação ou não deste facto),  pois  aquando da construção da referida igreja, não havendo muitos recursos e tendo até que usar as pedras do referido castelo, custa-me muito a crer que tenha sido por essa altura construída a muralha onde esta implantado o adro “e belíssimo mirante” da nossa antiga vila.

 

 

 

Esta torre e muralhas deixaram de ter sentido defensivo com o passar  dos tempos,  pois não havendo guerras e tendo a fronteira sido expandida para as “terras de Riba Côa” ao castelo de Algodres terá acontecido o mesmo que a outros que sabemos terem existido e hoje deles poucas ruínas restam, casos como: Azurara (Mangualde), Aguiar da Beira, Folgosinho, etc..

 



publicado por algodrense às 00:03
link desta entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito

Segunda-feira, 4 de Julho de 2005
...

Capela-Ameada.JPG

Capela de Nª. Srª. da Encarnação (séc. XV),

Casal  Vasco   -   Postal,  s/d,  ed. CMFA.



publicado por algodrense às 20:44
link desta entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito

Os Cáceres, Senhores de Algodres.

 

 

colaboração de  Albino Cardoso

 

 

     Embora por vezes ignorado, certo é que muito antes de os Noronhas, condes de Linhares da Beira, terem sido senhores de Algodres, desde fins do séc. XVI, já o tinham sido os Cáceres, pelo menos desde fins do séc. XIV, estes originários do antiquíssimo solar desta família na freguesia do Casal Vasco, termo daquele antigo concelho.

 

 

 

     O primeiro Senhor documentado foi: Álvaro Mendes de Cáceres (NFP, vol.III, pag.168), tendo o senhorio continuado na mesma família pelo menos mais duas gerações. Esta família, com origens em Castela (ou Vascongadas), tem comprovado o seu ramo português desde o princípio do séc. XIV quando Gonzalo de Cáceres fundou o solar da sua família no "casal do vasco", foi o bisavô do referido Álvaro que, para alem de Algodres, foi também Senhor de Meadas e de Pena Verde.

 

 

 

    Embora sem certezas absolutas, creio que estes Cáceres estão na origem do Casal Vasco (no entanto o mais provável será que tenham edificado o casal nas ruínas de uma villa agrícola romana, que se encontraria em ruínas desde o tempo dos mouros; em documentos do séc. XIV chamava-se este lugar Casal Vasio).  Embora se diga que são originários de Castela, eu suponho que o seriam das Vascongadas hoje País Basco: já o Monsenhor Pinheiro Marques no seu livro "Terras de Algodres" afirmava que a aldeia teria tido origem num casal que teria sido propriedade de um Vasco e daí o nome terá evoluído de casal do Vasco, para Casal Vasco. Ora como não encontrei nesta família nenhum Vasco de nome e como não há nenhuma evidência de nenhuma outra família senhorial aí ter vivido, a explicação que eu encontro é que sim, a fundação deste casal foi por um vasco, não de nome, mas sim de origem: vasco ou basco das Vascongadas.

 

 

 

     O ramo varonil desta família terá terminado em meados do séc. XVI (essa segundo eu a razão do senhorio ter passado para os Noronhas), pois o ultimo documentado foi Simão Cardoso de Cáceres, em 1520 (Genea ...). Entretanto D. Afonso V já tinha mandado passar carta de brasão de armas de mercê nova em 1459 a Álvaro Gonçalves de Cáceres que era cronista - mor do reino ( DFP, Luís de Lancastre e Távora, Quetzal editores, 2ª. edição, Lisboa).

 

 

 

     Quando o morgadio desta familia se extinguiu, o património dela foi incorporado no da Casa da Ínsua (Penalva do Castelo) que se tornou proprietária de todos os seus bens, passando a partir de então a usar também o nome de Cáceres que pela sua antiguidade era um dos mais importantes do reino e bem assim tomou posse do solar do Casal Vasco, tendo-lhe então adicionado o brasão daquela casa. Este solar encontra-se hoje bastante arruinado e a pedir urgentemente obras (por que não transformá-lo em turismo de habitação?).  Seria de grande interesse, pois creio que deverá ser o único no nosso município em que está comprovada a origem de uma família portuguesa.

 

 

 

Além do solar existe a capela de Nª. Sª. da Encarnação, onde foi instituído o morgadio dos Cáceres e que, felizmente, a Casa da Ínsua cedeu ao município de Fornos de Algodres e hoje se encontra restaurada e conservada. É uma bela capela medieval com ameias e que muitos "Algodrenses" desconhecem.

 

   

 

Al Cardoso

 

 

NFP =  Nobiliário das Famílias Portuguesas

 

DFP =  Dicionário das Famílias Portuguesas

 

Genea =  Portal de Genealogia.

 



publicado por algodrense às 06:45
link desta entrada | comentar | ver comentários (4) | favorito

Correio dos Leitores

Este blog pretende tornar-se um ponto de encontro de todos os que se interessam pelas temáticas relacionadas com as “Terras de Algodres” e sobre elas querem partilhar estudos, informações, comentários ou opiniões.


 


Assim e de acordo com o Estatuto Editorial publicado em 2 de Maio p.p., renova-se o convite à participação de todos os interessados e ao envio de materiais para publicação.


 


Os textos assinados são naturalmente da exclusiva responsabilidade dos respectivos autores. Provavelmente, nem sempre as opiniões expressas - a começar pelas do editor do blog - merecerão consenso geral, o que é normal e salutar.  Mas todas as contribuições fundamentadas serão bem-vindas e da maior relevância para o enriquecimento do debate e do conhecimento sobre a nossa região.


 


Um blog sobre Algodres  orgulha-se de iniciar hoje a publicação de estudos enviados pelos n/ leitores para o e-mail do blog.  O primeiro texto recebido é da autoria de Albino Cardoso e será publicado dentro de momentos.


 


Ficamos a aguardar novos contributos do n/ amigo Albino Cardoso e de todos os que queiram seguir-lhe o exemplo.


 


Muito obrigado ... e mandem sempre!



publicado por algodrense às 06:15
link desta entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito

pesquisar
 
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


entradas recentes

...

Sobral Pichorro e Fuínhas...

...

Freguesia de Muxagata no ...

...

Freguesia de Maceira no C...

...

...

Freguesia de Fornos de Al...

...

links
temas

abreviaturas

algodres

alminhas

bibliografia (a - f)

bibliografia (g - r)

bibliografia (s - z)

bibliografia algodrense

capelas

casal do monte

casal vasco

castro de santiago

cortiçô

crime e castigo

documentos

estatuto editorial

estelas discóides

figueiró da granja

fornos de algodres

fortificações

fraga da pena

fuínhas

heráldica

humor

índice

infias

invasões francesas

juncais

leituras na rede

lendas e tradições

maceira

marcas mágico-religiosas

matança

migração do blog

mons. pinheiro marques

muxagata

notícias de outros tempos

personalidades

pesos e medidas

publicações recentes

queiriz

quinta da assentada

ramirão

rancozinho

sepulturas escavadas na rocha

sobral pichorro

toponímia

vias romanas

vila chã

todas as tags

arquivos

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

blogs SAPO
mais sobre mim
subscrever feeds
Redes

Academia

Facebook

LinkedIn