História e Património das "Terras de Algodres"
(concelho de Fornos de Algodres)
ed. Nuno Soares
Contacto: algodrense(at)sapo.pt
Segunda-feira, 29 de Agosto de 2005
...

Fornos-Misericordia.JPG

 

 Fornos  de  Algodres    -    Postal,  s/d,  s/ed.

 

 Dimensões: 8,8 x 13,8 cm.; a imagem ocupa uma mancha de 8,8 x 12,3 cm..

 

Tirando a legenda, esta imagem parece idêntica à publicada em MARQUES, 1938, p. 101.

 



publicado por algodrense às 13:33
link desta entrada | comentar | ver comentários (6) | favorito

Quarta-feira, 17 de Agosto de 2005
Em busca das estelas perdidas

Os marcos de sepultura em forma de estela discóide são bastante frequentes no registo arqueológico, conhecendo-se várias centenas de exemplares um pouco por todo o país.

Estes monumentos destinavam-se a assinalar a presença de um enterramento, sendo colocados, em regra, à cabeceira da sepultura e, excepcionalmente, também aos pés. Esculpidas em pedra, as estelas deste tipo eram constituídas por uma parte superior em forma de disco, assente num espigão destinado a fixá-las ao solo, que era enterrado. Eram em geral decoradas, numa ou ambas as faces, predominando os símbolos religiosos, mas podendo conter também iconografia de diversa natureza (profissional, ...), siglas e, mais raramente, epígrafes.

A utilização das estelas discóides abrange uma larga diacronia, desde o período medieval até quase à actualidade (conhecem-se exemplares do séc. XX ...), pelo que a datação de achados descontextualizados é sempre problemática. Em todo o caso, tem-se entendido que a maioria datará da Baixa Idade Média. Segundo o Prof. Mário Jorge Barroca, os exemplares anteriores ao séc. XII parecem ser mais ou menos excepcionais, ocorrendo a generalização destas estelas funerárias apenas nos séculos XIII e XIV (BARROCA, 1987, pp. 306 e segs.). A partir do século XVI o seu uso vai rareando, embora se continuem a registar ocorrências nos séculos posteriores.

Até ao momento, que saibamos, foram identificadas apenas duas estelas deste tipo nas Terras de Algodres.

Um dos exemplares foi encontrado em Algodres, na década de oitenta do século passado, quando se realizaram obras numa casa situada a poucos metros da fachada Sul da igreja matriz. Estava quebrada, faltando-lhe o espigão e tinha gravada uma cruz em alto relevo, de braços algo irregulares (VALERA, 1993, p. 54).

Estela-Algodres.jpg

Estela funerária de Algodres, seg. VALERA, 1993.

A outra estela conhecida foi encontrada em Figueiró da Granja por Mons. Pinheiro Marques, que a identificou, recolheu e monumentalizou, mandando-a colocar, à laia de cruzeiro, no alto de uma coluna, como conta no livro Terras de Algodres (MARQUES, 1938, p. 42):

“Em Figueiró, presumo, sem afirmar, que seja do tempo dos godos uma antiquíssima pequena cruz lavrada em relêvo numa pedra, que, desde há séculos, está no ângulo do caminho do Relão e Quelha da Fonte-Arcada; chamam-lhe a Cruzinha e daí veio ao sítio êsse mesmo nome, que ainda hoje conserva.

Efectivamente, já os godos usavam nas suas moedas uma cruz lisa como esta.

O Conde D. Henrique e seu filho D. Afonso Henriques também usavam no escudo uma cruz lisa, como esta nossa Cruzinha.

Esta cruz de pedra era um marco simbólico da fé cristã, que, como ainda hoje, se colocava à cabeceira das sepulturas, como pedra tumular ou marco funerário.

No Museu Etnográfico de Belém existem duas como esta de Figueiró.

Como êste precioso documento arqueológico andasse, há muitos anos, aos baldões, pelo caminho, recolheu-a com respeito o autor dêste livro, mandando-a colocar, em 1930, no alto de uma coluna, no mesmo sítio a que deu o nome.". 

 

Estela-Figueiro.JPG

Cruzinha, Figueiró da Granja (Agosto de 2001).

O monumento ainda se conserva, no estado em que a fotografia agora publicada documenta. A meio da coluna foi esculpida uma cruz grega (cruz de braços iguais), semelhante à da estela e a data de 1930. Se a datação proposta por Mons. Pinheiro Marques não será a mais provável, à luz dos conhecimentos actuais, este é mais um monumento do nosso património histórico-cultural cuja preservação o concelho lhe ficou a dever.

Muito possivelmente ainda estarão por descobrir, em Terras de Algodres, ocultas pelo solo ou por construções, mais estelas funerárias deste tipo. Outras poderão estar, como é frequente, reutilizadas e esquecidas, à espera de quem nelas repare e as reconheça. Aqui fica pois um repto, aos algodrenses e visitantes: vamos descobrir as estelas perdidas! Este blog fica à espera das notícias e/ou fotografias dos vossos achados.

Bibliografia: v. entrada de 2005-05-09.



publicado por algodrense às 06:40
link desta entrada | comentar | ver comentários (4) | favorito

Segunda-feira, 15 de Agosto de 2005
Publicações recentes

Boletim-Cultural.JPG

 

O nº. 12 do Boletim Cultural do Inatel -  Guarda, datado de Maio p.p., publica um dossier especial dedicado a Fornos de Algodres, que inclui os seguintes artigos:

 

 -        CMFA,  “Câmara Municipal de Fornos de Algodres: Linhas da Política Cultural”,  pp. 52-54;

 

-        AAVV,  “Associações”,  pp. 55-57   (“A Associação Recreativa e Cultural de Figueiró da Granja”, p. 55;  “Associação Prom. Soc. Rec. Desp. Hum. de Maceira”, pp. 55-56; “Banda Filarmónica de Fornos de Algodres”, p. 57);

 

-        Nuno Soares,  “Algodres – Uma aldeia com História”,  pp.58-60;  (1)

 

-        António Carlos Valera,  “Património histórico-arqueológico de Fornos de Algodres”,  pp.61-63;

 

-        Joaquim Martins Igreja,  “Olaria de Juncais – Artesanato para todo o país”,  pp. 64-65;

 

-        Padre Virgílio Marques Rodrigues,  “Romarias – Nossa Senhora dos Milagres (Muxagata)”, pp. 66-68.

 

 O Boletim é editado pela Delegação do INATEL na Guarda.

 

 

 

Notas:

 

1 –     Este texto é uma síntese ainda mais resumida que a entrada aqui publicada em 19 de Maio p.p., pelo que não trará novidades aos leitores deste blog.

 



publicado por algodrense às 17:06
link desta entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sexta-feira, 12 de Agosto de 2005
Se está de férias....
Blog_nuno.jpg

Vou de férias e a minha participação aqui vai sofrer uma paragem. Mas para quem está (ou vai estar) de férias cá dentro e anda (ou vai andar) pelas bandas da Beira, deixo aqui uma dica. Fornos de Algodres tem um importante património arqueológico e uma paisagem particularmente bela. O Centro de Interpretação Arqueológica (CIHAFA) e o roteiro arquológico (devidamente sinalizado) proporcionam uma interessante viagem no tempo pelas "Terras de Algodres". Cumpra-se o património...


publicado por algodrense às 14:24
link desta entrada | comentar | ver comentários (4) | favorito

Mais agradecimentos...

 


... ao Bloguices  -  que nos brindou com um simpático link no seu “Destak semanal...”;


 


 ...  ao Alex, que anda a tentar perceber como se perdeu o castelo de Algodres (post 413, de 29 de Julho p.p.)   ;-)  ;


 


 


e uma cordial saudação à Sebentaria, agora chamada Cartografia do exílio.



publicado por algodrense às 13:28
link desta entrada | comentar | favorito

Quarta-feira, 10 de Agosto de 2005
Mas na Quinta das Rosas há mais...

Vaso_net.jpg De facto, para além das ocupações do Bronze Final, a Quinta das Rosas em Maceira forneceu materiais que documentam outras ocupações anteriores, nomeadamente do final do Calcolítico (c. de 4000 anos) e do Neolítico Inicial (c. de 6500). O recipiente da imagem é precisamente uma das evidências desses momentos mais antigos. A Quinta das Rosas, em Maceira, e a Quinta da Assentada, na freguesia de Algodres, são os dois sítios com ocupações humanas mais antigas conhecidos no concelho, datáveis do início do processo de neolitização desta região beirã.


temas:

publicado por algodrense às 17:46
link desta entrada | comentar | ver comentários (3) | favorito

Segunda-feira, 8 de Agosto de 2005
Bibliografia algodrense

LivroTAlg.jpg

 

 

Quem busque obras monográficas que sirvam de introdução ao estudo do concelho de Fornos de Algodres, continua a ter como referência fundamental o livro “Terras de Algodres (concelho de Fornos)”, da autoria de Monsenhor José Pinheiro Marques (1871-1940), cuja primeira edição foi impressa em Setembro de 1938   (MARQUES, 1938).

 

Este livro é ainda a única monografia publicada abrangendo todo o concelho.

 

Como salientou José Alfredo Pinheiro Marques nas notas introdutórias à segunda e terceira edições, o trabalho de Mons. Pinheiro Marques foi, para o seu tempo, uma obra notável e tem servido de base à generalidade dos estudos e publicações que lhe sucederam. Trabalho pioneiro na historiografia do concelho, transcende essa dimensão pela extensa e bem informada abordagem multidisciplinar de outras temáticas relativas à região (geografia, economia, toponímia, arqueologia, epigrafia, genealogia, património arquitectónico e artístico, ...).  É também um importante repositório de dados etnográficos, de tradições e de outros factos e acontecimentos do conhecimento do seu autor, muitos dos quais se teriam perdido, se não tivessem sido registados nesta obra. O mesmo sucede com alguns documentos citados e/ou transcritos, de capital importância para a história local e hoje com paradeiro desconhecido.

 

A principal crítica que, já à época, se poderia fazer a esta monografia, seria a desproporcionada atenção que, na economia geral da obra, dedicou à freguesia de Figueiró da Granja.  Porém, tratando-se da terra natal do autor, é “pecado” que merece absolvição e tentação na qual a maioria dos mortais certamente cairia...

 

Como é natural, face aos desenvolvimentos entretanto ocorridos, a obra de Mons. Pinheiro Marques encontra-se bastante desactualizada, quer na metodologia de construção do discurso científico, quer ao nível dos dados empíricos e do quadro de referência geral em que o mesmo se baseou.  Mas continua a ser leitura não só útil como indispensável, enquanto não aparecer um trabalho monográfico de fôlego que a ultrapasse.

 

Existem, é certo, inúmeros estudos dispersos, sobre o concelho de Fornos de Algodres, muitos deles recentes e de grande relevo científico, designadamente no domínio da história e da arqueologia.  Mas faltam as sínteses monográficas, que “organizem” tais conhecimentos, em benefício do leitor comum ou de quem inicia novas investigações.

 

Especificamente sobre a aldeia de Algodres, há duas pequenas monografias mais recentes (LEMOS, s/d;  RODRIGUES, s/d), que acrescentam informações de inegável utilidade. Há ainda um outro estudo do mesmo género, sobre a aldeia de Infias (LEMOS, s/d a).  Trata-se, porém, de trabalhos policopiados, que não tiveram edição comercial e são bastante difíceis de obter.

 

Sobre o riquíssimo património arqueológico do concelho, foi publicada há cerca de uma dúzia de anos uma carta arqueológica (VALERA, 1993), que dá testemunho da profunda evolução do conhecimento nessa matéria.  Infelizmente, esta obra, que é também uma referência fundamental, pode considerar-se já bastante desactualizada - em virtude das descobertas e trabalhos entretanto realizados – e está praticamente esgotada.

 

Resta assim, à generalidade dos interessados, o recurso à obra de Mons. Pinheiro Marques, que a diligência da CMFA tem mantido disponível.  Em 1988, foi publicada uma segunda edição, comemorativa dos cinquenta anos da edição original.  Rapidamente esgotada, está agora disponível a terceira edição, datada de 2001, que pode ser adquirida junto da CMFA ou na recepção do CIHAFA – Centro de Interpretação Histórica e Arqueológica de Fornos de Algodres.

 

 

 

Nota final:

 

Na edição de 1988 do livro Terras de Algodres, foi alterada a numeração das páginas que constava na edição original. Essa opção foi corrigida na terceira edição, de 2001.  Neste blog, a citação de págs. desta obra é sempre referida à paginação das edições de 1938 e de 2001.

 

 

 

Bibliografia e abreviaturas:  v. entradas de 2005-05-09.

 



publicado por algodrense às 18:17
link desta entrada | comentar | ver comentários (7) | favorito

...

Igeja-frente.JPG

Igreja de Santa Maria Maior,  Matriz de Algodres.


temas:

publicado por algodrense às 07:59
link desta entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito

As Forcadas e as sepulturas escavadas na rocha I

 

  

 

(colaboração de  Albino Cardoso)

 

 

 

Estive quase tentado a escrever o título desta entrada da seguinte forma: as Forcadas e as sepulturas antropomórficas. Depois pensei melhor e realmente não fazia sentido, na realidade não são antropomórficas, pois não foram escavadas com a forma do corpo humano. De acordo com os especialistas na matéria esse facto tê-los-á levado à conclusão que são muitíssimo mais antigas do que as outras com forma antropomórfica, estaríamos então perante uma necrópole datada dos séculos VII ao IX. Ora tanto quanto sei não foram encontrados nenhuns materiais, que possam ser tratados e datados com radiação de carbono e portanto estas datas são especulativas. Mas supondo que são datadas dessa época, são dos primeiros séculos da nossa era cristã. Ainda de acordo com os mesmos técnicos, como são dos primeiros séculos da era cristã, então são sepulturas cristãs.

 

 

 

      Aqui é que começa a minha dúvida; serão mesmo sepulturas cristãs? Tentando arranjar uma explicação lógica os mesmos estudiosos tentam localiza-las junto a algum templo antigo ou tentar encontrar na sua orientação canónica a explicação para essa afirmação. Ora tanto quanto tenho conhecimento com a excepção da necrópole de Vila Ruiva da Serra, nem nas Forcadas nem em nenhum outro grupo ou sepulturas isoladas no nosso concelho fica situado junto a nenhum templo cristão ou vestígios orais ou materiais dele. Junto ao nosso município, mas no de Celorico, existe até o facto de, na necrópole de S. Gens, em vez de haver restos de um templo cristão, existirem isso sim vestígios de culto a outras divindades, ainda gostaria de saber em que se basearam para lhe dar esse nome.

 

     

 

 Em Vila Ruiva como afirmei a necrópole já antropomórfica encontra-se localizada junto à capela do arcanjo S. Gabriel.  Esta capela é muito recente pois foi construída em meados do século XX  sobre as ruínas de outra mais antiga. No entanto ponho muitas dúvidas que aquela capela antiga pudesse datar dos primeiros séculos da era cristã. É também curioso que a invocação de S. Gabriel até pode coincidir  com outra teoria que gostaria de explorar noutra entrada.

 

 

 

       Voltemos então às Forcadas e isso até pode servir, para todas as outras sepulturas escavadas na rocha, conhecidas na nossa região. Todos quantos têm estudado e evolução da religião cristã sabem que desde que foram construídos os primeiros templos, os cristãos sempre foram sepultados no seu interior ou nas suas imediações. Temos entre nós o caso da "recente" descoberta da necrópole de Algodres situada junto a antiquíssima igreja de Santa Maria. Suponho eu sem grandes receios de ser desmentido que é a mais antiga igreja do nosso concelho (este costume estava de tal maneira enraizado na tradição das nossas gentes, que no século XIX quando Costa Cabral decretou a construção dos cemitérios originou uma revolta que originou a queda do seu governo).  Ora admitindo que a fundação da igreja da Matança possa datar dos séculos VII ao IX,  o que eu duvido, porque haveriam dos seus fregueses e contra toda a lógica desses tempos, mandar construir esta necrópole relativamente longe da sua igreja e não ser sepultados junto ou dentro da mesma como era costume. Dirão talvez que as Forcadas é uma povoação mais antiga que a Matança e que aí houve um outro templo mais antigo que a igreja de Sta. Maria Madalena. Tanto quanto sei nem uma nem outra dessas possíveis teorias tem fundamento documental. Não existem vestígios nem memória de nenhum templo cristão nas Forcadas e tampouco se conhecem vestígios arqueológicos que possam comprovar essa tese (a capela hoje existente foi construída na década 80 do século XX).

 

 

 

         Voltemos então  à minha dúvida: nada prova para além de puras especulações que são sepulturas cristãs, pois até a orientação canónica (decretada muito mais tarde) não está comprovada nelas, embora haja algumas em que isso se possa no entanto encontrar, mas até isso pode ser explicado por outras razões. Também temos que admitir que este tipo de sepultura não era a regra mas sim uma excepção e seria para pessoas de mais posses materiais ou possivelmente para classes superiores, pois a maioria era sepultada na terra e não em sepulcros escavados na rocha. Então ou estas sepulturas são muito mais antigas do que a era crista, ou, sendo da época em que tentativamente estão datadas, serão de outra gente que não cristãos, pois nesses tempos nem toda a gente o era: havia os romanos, os povos autóctones que eles chamaram "Lusitanos", depois vieram os suevos os alanos e mais tarde os visigodos que finalmente se converteram ao cristianismo e havia um outro povo que por estas bandas andava desde o tempo dos romanos: os judeus!!! que infelizmente não são estudados quando é abordada a historia das Terras de Algodres. Além disso também existe entre as nossas gentes a tradição de chamar a estas sepulturas: "sepulturas dos mouros".

 



publicado por algodrense às 07:46
link desta entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sexta-feira, 5 de Agosto de 2005
Por falar em Maceira...

Blog1.jpg Este é o espaço integrado na Quinta das Rosas, junto a Maceira, onde têm decorrido escavações arqueológicas nos últimos anos. Ali foi pela primeira vez documentada uma ocupação do final da Idade do Bronze no território do concelho, datada de há cerca de 3000 anos. Uns dia destes veremos alguns materiais.


temas:

publicado por algodrense às 09:57
link desta entrada | comentar | ver comentários (5) | favorito

pesquisar
 
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


entradas recentes

...

Sobral Pichorro e Fuínhas...

...

Freguesia de Muxagata no ...

...

Freguesia de Maceira no C...

...

...

Freguesia de Fornos de Al...

...

links
temas

abreviaturas

algodres

alminhas

bibliografia (a - f)

bibliografia (g - r)

bibliografia (s - z)

bibliografia algodrense

capelas

casal do monte

casal vasco

castro de santiago

cortiçô

crime e castigo

documentos

estatuto editorial

estelas discóides

figueiró da granja

fornos de algodres

fortificações

fraga da pena

fuínhas

heráldica

humor

índice

infias

invasões francesas

juncais

leituras na rede

lendas e tradições

maceira

marcas mágico-religiosas

matança

migração do blog

mons. pinheiro marques

muxagata

notícias de outros tempos

personalidades

pesos e medidas

publicações recentes

queiriz

quinta da assentada

ramirão

rancozinho

sepulturas escavadas na rocha

sobral pichorro

toponímia

vias romanas

vila chã

todas as tags

arquivos

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

blogs SAPO
mais sobre mim
subscrever feeds
Redes

Academia

Facebook

LinkedIn