História e Património das "Terras de Algodres"
(concelho de Fornos de Algodres)
ed. Nuno Soares
Contacto: algodrense(at)sapo.pt
Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2006
A Santa Casa da Misericórdia de Algodres

Misericordia-interior1.JPG

 

Igreja da Misericórdia de Algodres - interior  (Dezembro de 2005).

 

(colaboração de Albino Cardoso)

 

 A provar que, em princípios do século XVII, a vila de Algodres ainda era mais importante que Fornos, temos que foi naquela vila que se instituiu a mais antiga Misericórdia do nosso actual município. Enquanto a Misericórdia de Fornos só foi instituída canonicamente em 1666 (embora na memória paroquial de 1758 se diga que foi em 1668), a de Algodres foi fundada em 1621 e instituída canonicamente em 1622, por várias personalidades do concelho e não só, entre elas o Vigário da vila e o Abade da vila de Infias. No entanto, o Vigário António Pires Pereira, em 1758 (Memória Paroquial), refere que esta irmandade foi criada em 1615 e já nessa altura ficou possuidora de vários prédios rústicos  (provavelmente doados).

 

 O edifício da Santa Casa e o templo terá sido edificado em princípios do século XVIII, com as pedras do arruinado castelo de Algodres (é de crer que terá sido uma torre medieval com algumas muralhas). É um edifício da fase final do barroco. Tem um campanário geminado em arco completo com algum trabalho de cantaria e rematado por um pináculo. Sobre o portal de verga recta encontra-se um frontão interrompido tendo ao centro uma "vieira" ou concha. A fachada é rematada por uma cornija e uma cruz trilobada. Do lado oposto ao campanário encontra-se um púlpito exterior, que o povo identifica como "Varanda de Pilatos", com alpendre, sobre um nicho onde se coloca um quadro da via sacra.

 

 No interior, para além dos altares em talha dourada e alguma imaginária, encontra-se um tríptico com algum valor artístico, atribuído à escola de Grão Vasco. Sob o altar-mor conserva-se num túmulo uma imagem de Cristo morto.

 

 Em frente à igreja ergue-se, sobre uma base, um cruzeiro granítico, também com  cruz trilobada.

 

 Pela antiga vila encontram-se distribuídos outros nichos da via sacra, onde, à semelhança do da igreja, se colocam  quadros da Paixão, sendo visitados pela procissão que se realiza durante a Semana Santa, enquanto se entoam cânticos autóctones, intitulados pelo nosso povo por: "regrar os passos". Esse cortejo termina no Terreiro da Misericórdia, sito no lugar de S. João.

 

  Neste terreiro, para além dos três cruzeiros do calvário, em granito, existe, em plano mais elevado, servido por uma escadaria, uma capela dedicada à Senhora das Dores ou do Pé da Cruz; com um elegante alpendre e um portal em arco de volta completa.

 

 O terreiro, murado, onde se realizam as festas da localidade, é um belo recinto arborizado por vários cedros e ciprestes que, a destoar, teve até há pouco tempo um palco, construído em betão, ao lado da capela, que em boa hora tiveram a feliz ideia de retirar. 

 

 Albino Cardoso

 

2006-02-10

 


temas:

publicado por algodrense às 22:00
link desta entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sábado, 4 de Fevereiro de 2006
Evocar a memória de Manuel de Pina Cabral (1746 – c.1810)

autografo.jpg

 

 

 

 (colaboração de João Rocha Nunes)

 

Comemoram-se no presente ano de 2006, 260 anos da data de nascimento de Manuel de Pina Cabral. Este distinto latinista do século XVIII nasceu em Matança, mais concretamente no local de Fonte Fria, no ano de 1746. Oriundo de uma família de lavradores, eclesiásticos e militares, fez os primeiros estudos nesta localidade, tendo mais tarde, na década de 60, ingressado no curso de cânones da Universidade de Coimbra. Data precisamente deste período a relação de amizade que estabelece com Frei Manuel do Cenáculo, distinta figura das letras do século XVIII. A pouca vocação que sentia em relação ao curso e a relação de amizade com Manuel do Cenáculo, que aliás se manteria por toda a vida do canonista, foram determinantes para o abandono da Universidade e ingresso na Ordem Terceira de S. Francisco, prosseguindo aqui o estudos de Filosofia e Latim. Foi um dos mais brilhantes alunos da Ordem Terceira. O conhecimento da língua latina (era um dos especialistas  do seu tempo) foi determinante para que tivesse sido o autor de um novo léxico de latim  -  o Magnum Lexicon. Esta monumental obra foi deveras importante no panorama das letras portuguesas do século XVIII e XIX, contando-se 11 edições que bem atestam a relevância da obra. Foi igualmente tradutor e autor de uma gramática latina, sob o pseudónimo de António de Pina Andrade. A importância de Pina Cabral não tem a ver apenas com a sua obra. Na Ordem Terceira fez uma carreira notável, que de simples estudante no colégio da ordem de Coimbra chega, em inícios do século XIX, a provincial da Ordem, figura máxima da instituição. Desconhece-se a data da sua morte – deve ter ocorrido cerca de 1810, uma vez que a última carta que escreve a Manuel do Cenáculo data de 1807 e a edição de 1812 do Magnum Lexicon já não é revista pelo autor.

 

ANEXOS

 

 

Anexo1 – Registo de Baptismo de Manuel de Pina Cabral

 

fac_simile.jpg

 

 

 

 Anexo 2 – Magnum Lexicon (1ª Edição) – folha de rosto

 

 Capa.jpg

 



publicado por algodrense às 19:01
link desta entrada | comentar | ver comentários (6) | favorito

Sexta-feira, 3 de Fevereiro de 2006
"Holocénico", agora em livro.

Holocenico.JPG

 

É hoje lançado em Lisboa o livro Holocénico (o Blog), que recolhe uma selecção das mais significativas entradas (e comentários) publicados, entre Fevereiro de 2004 e Março de 2005, no extinto blog: holocenico.blogspot.com.

 

 

  

 

Neste volume, de 267 pp., aparecem organizados temáticamente, em seis capítulos, mais de centena e meia de textos, com “... notas sobre arqueologia; sobre o seu ensino universitário e desempenho profissional; sobre património e produção do conhecimento”.

 

 

  

 

O autor, António Carlos Valera, é arqueólogo e director do GAFAL – Gabinete de Arqueologia de Fornos de Algodres.

 

  

 

O livro foi editado pela Era Arqueologia, em parceria com as Edições Colibri.

 



publicado por algodrense às 08:21
link desta entrada | comentar | ver comentários (5) | favorito

pesquisar
 
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


entradas recentes

...

Sobral Pichorro e Fuínhas...

...

Freguesia de Muxagata no ...

...

Freguesia de Maceira no C...

...

...

Freguesia de Fornos de Al...

...

links
temas

abreviaturas

algodres

alminhas

bibliografia (a - f)

bibliografia (g - r)

bibliografia (s - z)

bibliografia algodrense

capelas

casal do monte

casal vasco

castro de santiago

cortiçô

crime e castigo

documentos

estatuto editorial

estelas discóides

figueiró da granja

fornos de algodres

fortificações

fraga da pena

fuínhas

heráldica

humor

índice

infias

invasões francesas

juncais

leituras na rede

lendas e tradições

maceira

marcas mágico-religiosas

matança

migração do blog

mons. pinheiro marques

muxagata

notícias de outros tempos

personalidades

pesos e medidas

publicações recentes

queiriz

quinta da assentada

ramirão

rancozinho

sepulturas escavadas na rocha

sobral pichorro

toponímia

vias romanas

vila chã

todas as tags

arquivos

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

blogs SAPO
mais sobre mim
subscrever feeds
Redes

Academia

Facebook

LinkedIn