História e Património das "Terras de Algodres"
(concelho de Fornos de Algodres)
ed. Nuno Soares
Contacto: algodrense(at)sapo.pt
Segunda-feira, 18 de Junho de 2007
Acerca da origem da localidade de Matança - II

 

 

(colaboração de João Rocha Nunes)

 

 

No que se refere à presença romana na Matança, João de Almeida sugere que a localidade seria um oppidum para “não só servir de base de ocupação e centro administrativo de valor, mas também guardar a estrada militar que servia de transversal entre as da Guarda a Linhares, Conímbriga e a da Guarda a Aguiar da Beira e Lamego...”[i]. Esta tese foi burilada tendo em conta a existência das pontes – cujos alicerces foram por este autor considerados romanos, bem como pelos vestígios de lajes de pedra na via de acesso a uma das pontes. Ora, não é possível considerar as pontes/lajes como romanas, porque até à data não foi apresentado qualquer documento que permita considerar que estes vestígios pertencem à época em questão, já que em períodos muito posteriores a edificação deste tipo de estruturas foi em tudo semelhante às formas constructivas usadas no período romano. Contudo, é possível que a importância da localidade decorresse da sua relevância militar, mormente no controlo de um determinado território do interior da Lusitânia. Com efeito, um espaço situado num dos extremos da provoação tem a designação de Castelo (figura I). Este mesmo local não possui no presente vestígios de quaisquer fortificações. Todavia, um dos blocos de pedra inserido nos alicerces de uma habitação deste mesmo local (figura II) é possivel verificar que o mesmo aparenta ter aparelho romano. Este documento material e a toponímia  - Castelo -   permitem considerar a Matança como uma localidade que teria alguma relevância  militar na Época Romana. Embora não haja uma prova cabal, como já referido, de que as pontes datem efectivamente da Época Romana, é possível que a importância da Matança, tal como João de Almeida sugeriu[ii], tivesse a ver com o controlo militar de uma das estradas secundárias do interior peninsular. Seguramente que esta atalaia – não tendo dimensões significativas, uma vez que os vestígios da estrutura não são actualmente visíveis, até porque o espaço foi objecto de um novo arranjo em épocas posteriores -  terá servido no decurso dos séculos para a protecção dos habitantes da localidade deixando mais tarde, provavelmente no período da Baixa Idade Média, de ter qualquer utilidade na defesa da povoação/território.

 

 

   

 

 Figura I

 

Castelo – Matança

 

 

 

Castelo-Matanca-I.jpg

 

  

 

 

 

 

Figura II

 

Castelo – Matança 

 

 

 

  

 

Castelo-Matanca-II.jpg

 

  

 

João Rocha Nunes 

 

 

 


Notas:

 

 

 

[i] João de Almeida, Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses, Ed. do autor, 1945, vol. I, p.240. 

 

[ii] Idem, p. 240.

 


temas:

publicado por algodrense às 21:10
link desta entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito

Segunda-feira, 11 de Junho de 2007
Acerca da origem da localidade de Matança - I

 

 

(colaboração de João Rocha Nunes)

 

 

 

É indubitável que a presença romana foi uma realidade na localidade de Matança, embora se desconheça se efectivamente esta povoação foi fundada pelos romanos. Alguns autores referem vestígios materiais que decorrem da chegada dos povos do Lácio às Terras de Algodres e em particular à localidade que iria adoptar no decurso da História o nome de Matança[i]. Leite de Vasconcelos, em finais do século XIX, nas prospecções que fez no Monte dos Matos, que dista de Matança cerca de 1 km detectou “destroços de duas ordens de muralhas concentricas; estas têm de largura actualmente 1 metro pouco mais ou menos. Num dos extremos de uma das muralhas ha o alicerce de uma casa rectangular de uns 6m X 4 m, porém não posso dizer a que época pertence. Abaixo dos destroços da ordem de muralhas inferior, num pinhal e em campos, depararamse-me muitos montinhos de pedras, ao parecer, de ruinas de casas. Sobre estes monticulos, e fóra  d’eles, pelo terreno das encostas,  - externamente, como digo ás muralhas – vi, inumeros fragmentos de tegulae de diversas côres (vermelhas, brancas e azulado-negras), e alguns  de imbrices. Concluí d’isto que no monte dos Matos houvera um castro, a que sucedeu, como em muitos outros casos se observa, a civilização romana.[ii]. Este mesmo autor  afirma, igualmente, ter achado no lugar de Matança  “tegulas, um denario de Augusto, e uma inscriçao funeraria[iii]”.

 

 

 

Pese hoje se desconheça o paradeiro dos vestígios assinalados por Leite de Vasconcelos no Monte dos Matos, parece verosímel a interpretação do autor: as “muralhas concêntricas” são susceptíveis de ser da Época Castreja, enquanto que os restantes documentos materiais são claramente da Época Romana. Leite de Vasconcelos sinaliza igualmente na Matança a existência de uma inscrição funerária.

 

 

 

Figura I

 

Inscrição da Matança[iv]

...................

 

XXVCAMI

 

RAIYTAIP

 

AN XVI

 

   ___

 

 

 

TONGETA

 

ARANTO

 

 

 

Como é visível pela figura I, quando Leite de Vasconcelos coligiu a inscrição, esta encontrava-se já muito deteriorada[v].  Todavia, e não obstante se encontrar mutilada,  a inscrição permite a obtenção de preciosos informes acerca da Matança na Época Romana. Com efeito, no documento em questão são perceptíveis os seguintes onomásticos – Camira, Tongeta e Aranto.  Camira é efectivamente um nome feminino de origem indígena[vi].  Tongeta trata-se de uma designação onomástica cuja origem  remete para a etimologia hispânica[vii]. Já Aranto parece ser a abreviatura de Arantonius que é um onomástico de origem celta e uma designação típica de Beira interior[viii]. A inscrição parece evidenciar, igualmente, a idade de dois indivíduos – 25 e16 anos, respectivamente. Esta inscrição data de cerca do século I, uma vez que se insere no tipo de documentos epigráficos funerários erigidos por uma população de origem local que lentamente assimilava a cultura romana, à semelhança do que acontecia em outras localidades da que mais tarde viria a ser designada de Beira Interior[ix]. A menos que surja alguma evidência em contrário, a importância desta inscrição para a história local  é que prova – pela presença de população autóctone na localidade - que a Matança foi fundada na Época Romana, mormente por população autóctone. Poder-se-ia pensar que esta localidade pudesse já ser uma realidade no período anterior à presença romana no território peninsular. Alguns autores referem a existência de um castro que estaria na origem da provoação[x]. Todavia, o facto de o Monte dos Matos ser povoado – não fazia sentido existirem dois núcleos habitacionais tão próximos - sugere que a Matança foi efectivamente fundada  no Périodo Romano, cerca do século I. A crer nas referências de Leite de Vasconcelos, o Monte dos Matos foi um castro romanizado. Este espaço continuou a ser habitado depois da chegada dos romanos. Ora, à semelhança do que aconteceu em outros locais  do norte de Portugal[xi], é possível que tenha existido uma transferência de população do referido Monte dos Matos para um espaço contíguo, situado em um vale e próximo de cursos de água, mais propício nesse sentido à prática agrícola.

 

João Rocha Nunes



Notas:

 

[i] A desginação de Matança não oferece dúvidas quanto à origem etimológica. A questão que se coloca é  que contendores teriam travado  o combate. Há quem sugira Romanos e Bárbaros e há quem se incline para Cristãos e Muçulmanos. Pinheiro Marques, Terras de Algodres, Ed. Câmara Municipal de Fornos de Algodres, 1988, p. 308.

[ii] Leite de Vasconcelos, De terra em terra, Ed. Imprensa Nacional, Lisboa, 1927, p. 140.

[iii] Idem, p. 140.

[iv] Esta inscrição aparece citada na obra de Fernando Barbosa Barros Leite, Concelho de Penalva do Castelo:  Recolha bibliográfica, contributo para uma monografia, Câmara Municipal de Penalva do Castelo, 1997, p. 40.

[v] É possível que esta  inscrição seja a que se encontre em uma das casas do Arrabalde, contíguo ao espaço designado de Castelo, e que no decurso do século XX foi coberta com argamassa em virtude de obras de melhoramento da referida habitação.  

[vi] Ana Paula Ramos Ferreira, Epigrafia Romana na Beira Interior: Evolução ou Continuidade?, Instituto Português de Arqueologia, 2004, p. 23.

[vii] O onomástico “Tongeta” encontra-se no  território português e em algumas regiões de Espanha, designadamente em Cárceres . J.J. Sayas; J.L. Sánchez, Nuevas inscripciones cacerenas, In Anejos de Gerión, II, Ed. Universidad Complutense, Madrid, 1989, p. 434 – 436.

[viii] Idem, p. 23.

[ix] Idem, p. 21.

[x] João de Almeida, Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses, Ed. do autor, 1945, vol. I, p.240.

[xi] Jorge Alarcão,  Notas de Arqueologia, epigrafia e toponímia, In Revista Portuguesa de Arqueologia, volume 7, nº 1, 2004 p. 208 – 209.


temas:

publicado por algodrense às 20:19
link desta entrada | comentar | ver comentários (3) | favorito

Conferência - "Quinta das Rosas" (Maceira)

No próximo dia 18 de Junho, pelas 18:00h., o Doutor António Carlos Valera apresenta, na Secção de Pré-História da Associação dos Arqueólogos Portugueses, uma comunicação intitulada: "Quinta das Rosas (Fornos de Algodres): expressão de matrizes prévias de um povoamento calcolítico local durante o Bronze Final".


Local:  Largo do Carmo (Museu), Lisboa.



publicado por algodrense às 20:00
link desta entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito

pesquisar
 
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


entradas recentes

...

Sobral Pichorro e Fuínhas...

...

Freguesia de Muxagata no ...

...

Freguesia de Maceira no C...

...

...

Freguesia de Fornos de Al...

...

links
temas

abreviaturas

algodres

alminhas

bibliografia (a - f)

bibliografia (g - r)

bibliografia (s - z)

bibliografia algodrense

capelas

casal do monte

casal vasco

castro de santiago

cortiçô

crime e castigo

documentos

estatuto editorial

estelas discóides

figueiró da granja

fornos de algodres

fortificações

fraga da pena

fuínhas

heráldica

humor

índice

infias

invasões francesas

juncais

leituras na rede

lendas e tradições

maceira

marcas mágico-religiosas

matança

migração do blog

mons. pinheiro marques

muxagata

notícias de outros tempos

personalidades

pesos e medidas

publicações recentes

queiriz

quinta da assentada

ramirão

rancozinho

sepulturas escavadas na rocha

sobral pichorro

toponímia

vias romanas

vila chã

todas as tags

arquivos

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

blogs SAPO
mais sobre mim
subscrever feeds
Redes

Academia

Facebook

LinkedIn