História e Património das "Terras de Algodres"
(concelho de Fornos de Algodres)
ed. Nuno Soares
Contacto: algodrense(at)sapo.pt
Segunda-feira, 7 de Maio de 2007
Apontamentos para a história da Muxagata - I

 

 

A Muxagata, aldeia e sede da freguesia com o mesmo nome, fica situada a cerca de 10 kms. de Fornos de Algodres.

 

 

 

 

 

 

 

Muxagata-Mapa-2.jpg 

 

(imagem adaptada do site da CMFA)

 

 

 

 

 

 

É bem conhecida por albergar no seu território o santuário de Nossa Senhora dos Milagres, local de uma das mais afamadas romarias beirãs.[i]

 

 

 

Presentemente, os mais antigos vestígios de povoamento conhecidos naquela zona remontam à época romana.  Já Mons. Pinheiro Marques[ii] afirmava: “presume-se que na Muxagata e Sobral jazem sepultadas, como em Infias, ruinas de povoações romanas”, mas infelizmente não indicou as razões em que se baseava.  Igualmente vagos e de difícil comprovação são os informes de João de Almeida, ao afirmar que, na Muxagata, no sítio chamado “o Castelo”, “... que se levanta no meio da povoação, sobranceiro à ribeira, existem ainda claros vestígios de uma fortificação, que, pela sua natureza e posição, tudo leva a crer teria sido um poderoso castro luso-romano” [iii] [iv].  O certo é que ao longo da ribeira da Muxagata têm aparecido diversos materiais atribuíveis a esse período, em especial na zona denominada “Trepa” e arredores.  José Coelho referencia aí o achado de um punhal e uma bacia de bonze[v] e dá também conta do achado de moedas do séc. IV, cerâmica, uma fíbula e objectos de bronze[vi].  Fernando de Almeida relata o aparecimento, no mesmo local, de vestígios de olaria romana e fragmentos de uma “patena crismalis”[vii].  Em prospecções realizadas pelo GAFAL, foi ali recolhida cerâmica comum e cerâmica de construção e foram identificadas inúmeras pedras almofadadas integradas em muros[viii].  Foi também recolhida perto da Trepa uma ara romana anepígrafa, que está exposta no CIHAFA[ix]. Existe ainda um “possível marco” romano, na igreja paroquial da Muxagata[x].

 

 

 

 

 

 

 

AraMuxagata.JPG

 

Ara romana da Muxagata

 

 

 

Do povoamento da Muxagata durante a alta Idade Média, dão testemunho a sepultura escavada na rocha (antropomórfica) do Carvalhal[xi] e outras duas sepulturas escavadas na rocha na Quinta do Albuquerque[xii].

 

 

 

Porém, para além dos vestígios arqueológicos acima mencionados[xiii], pouco se sabe da história desta freguesia.

 

 

 

Recordam-se os aspectos essenciais referidos por Mons. Pinheiro Marques[xiv]:

 

 

 

“(...)

 

Esta povoação, que por si só constitui, desde tempos remotos, uma freguesia, fica situada ao fundo da serra do Belcaide, junto da ribeira, e por isso bastante doentia e atreita a febres palustres.

 

Nada se sabe sôbre a origem do seu nome que em 1482 se chamava Mocegata, Muxigata em 1600, e Muxiguata em 1700.

 

Diz João Maria Baptista, não sei com que fundamento, na sua Corografia Moderna, vol. III, pág. 694, que foi couto e vila.  Deve ser engano.

 

Em 1527 já pertencia ao concelho de Algodres com o nome de moxagata, tendo então 68 moradores ou fogos; em 1747 já tinha 112 fogos e 311 fregueses.

 

(...)”.

 

 

 

Na segunda parte destes “Apontamentos”, serão analisados dois documentos, um do séc. XIII , outro do séc. XVI, que permitem conhecer um pouco mais da história da Muxagata.

 

 

 

                                                                                                         (Continua)

 

 

 

Bibliografia e abreviaturas:   v. entradas de 2005-05-09.

 

 

 


 

Notas:

 

 

 

[i] Cf. MARQUES, 1938, pp. 319-320; RODRIGUES, 2005 e Albino Cardoso, aqui e aqui .  

 

 

 

[ii] MARQUES, 1938, p. 40

 

[iii] ALMEIDA, 1945, pp. 234-235.

 

[iv] Analogamente ao que tenho vindo a defender em relação ao caso de Algodres, julgo que convirá aprofundar a hipótese de as alusões toponímicas a “Castelos”, situados em aldeias como a Muxagata ou a Matança (cf. a informação de João Rocha Nunes, em comentário a esta entrada ) se referirem a pequenos redutos defensivos rurais, que, podendo remontar à época do baixo império romano, seriam, mais provavelmente, da alta Idade Média, à semelhança de outros da época da Reconquista que têm sido identificados na região  -  por exemplo, o “Castelo dos Mouros” de S. Pedro de Matos (em Forninhos, Aguiar da Beira  -  cf. COELHO, 1948, pp. 287-288 e pp. 291-293, embora propondo cronologia diversa; LEMOS, 2001, pp. 196-198; MARQUES, 2000b, p. 180; NÓBREGA, 2004, pp. 13-14, que indica mais bibliografia) e, possivelmente, o “Penedo dos Mouros” (em Gouveia  -  cf. ANGELLUCI, TENTE e MARTINS, 2004) e o reduto de “S. Gens”  (em Forno Telheiro, Celorico da Beira  -  cf. LOBÃO, MARQUES e NEVES, 2005).

 

[v] COELHO, 1947, pp. 223-224, cit. por ALARCÃO, 1988b, p. 60.

 

[vi] COELHO, 1949, pp. 97-98, cit. por ALARCÃO, 1988b, p. 60.

 

[vii] Cf. ALMEIDA, 1962, p. 235, cit. por VALERA, 1993, p. 28.

 

[viii] Cf. VALERA, 1993, p. 28 e CIHAFA, 2005 (n. 22 – “Trepa 1”).

 

[ix] Cf. CIHAFA, 2005 (n. 23 – “Trepa 2”).

 

[x] Cf. CIHAFA, 2005 (n. 70 – “Muxagata”).

 

[xi] Cf. MARQUES, 1938, p. 41; VALERA, 1990, p. 23; VALERA, 1993, p. 41; MARQUES, 2000a, p. 61 e CIHAFA, 2005 (n. 24 – “Carvalhal”).

 

[xii] Cf. CIHAFA, 2005 (n. 26 – “Quinta do Albuquerque”).

 

[xiii] E da “Torre da Muxagata”, que abordarei em próxima entrada.

 

[xiv] Cf. MARQUES, 1938, pp.318.

 



publicado por algodrense às 06:10
link desta entrada | comentar | favorito

2 comentários:
De Nuno Soares a 19 de Julho de 2007 às 19:17
Sobre o "Penedo dos Mouros" (Gouveia), referido na nota iv desta entrada, v. também TENTE, 2007, pp. 45-50 - disponível on-line aqui: http://www.ipa.min-cultura.pt/pubs/TA/folder/47/TA47033.pdf


De al cardoso a 8 de Maio de 2007 às 10:03
Bem haja pela divulgacao das minhas humildes entradas. Um abraco de amizade.


Comentar post

pesquisar
 
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


entradas recentes

...

Sobral Pichorro e Fuínhas...

...

Freguesia de Muxagata no ...

...

Freguesia de Maceira no C...

...

...

Freguesia de Fornos de Al...

...

links
temas

abreviaturas

algodres

alminhas

bibliografia (a - f)

bibliografia (g - r)

bibliografia (s - z)

bibliografia algodrense

capelas

casal do monte

casal vasco

castro de santiago

cortiçô

crime e castigo

documentos

estatuto editorial

estelas discóides

figueiró da granja

fornos de algodres

fortificações

fraga da pena

fuínhas

heráldica

humor

índice

infias

invasões francesas

juncais

leituras na rede

lendas e tradições

maceira

marcas mágico-religiosas

matança

migração do blog

mons. pinheiro marques

muxagata

notícias de outros tempos

personalidades

pesos e medidas

publicações recentes

queiriz

quinta da assentada

ramirão

rancozinho

sepulturas escavadas na rocha

sobral pichorro

toponímia

vias romanas

vila chã

todas as tags

arquivos

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

blogs SAPO
mais sobre mim
subscrever feeds
Redes

Academia

Facebook

LinkedIn