História e Património das "Terras de Algodres"
(concelho de Fornos de Algodres)
ed. Nuno Soares
Contacto: algodrense(at)sapo.pt
Quinta-feira, 13 de Julho de 2006
Documentos para a história de Algodres (2)

  Alvará de 15 de Março de 1657

 

(Recebedores de sisas no concelho de Algodres)

 

 “EU EL-REI faço saber aos que este Alvará virem, que, havendo respeito ao que se me representou por parte dos Officiaes da Camara e Concelho da Villa de Algodres, Commarca de Pinhel, e a molestia que recebem os moradores da dita Villa em se acharem nella poucos Recebedores da siza, e para melhor arrecadação della, e acharem ser mais conveniente haver nos logares Recebedores pequenos: - hei por bem fazer-lhes mercê conceder licença que possam eleger nos logares do dito Concelho, em cada um Recebedor que n’aquelle logar tire a dita siza aos quarteis, e que vão por ordem cada um quando lhe couber o seu quartel, e que haja na Villa um Recebedor a quem estes Recebedores pequenos entreguem o dinheiro para que ele o entregue ao executor, por não poder arrecadar de tantos Recebedores menores.

 

Pelo que mando ao Provedor da Commarca de Pinhel, e aos Ministros, Officiaes, e pessoas a que o conhecimento disto pertencer lhes deixem fazer a dita eleição na fórma referida, a qual eleição que se ahi fizer se cumprirá, e este Alvará tão inteiramente como nelle se contem, etc.

 

João da Silva o fez, em Lisboa, a 15 de Março de 1657.  Fernão Gomes o fez escrever.

 

                                                RAINHA

 

                                                Liv XXI da Chancellaria fol. 35”.

 

In: 

 

SILVA, 1857,  p. 234.

 

 Disponível on-line em Ius Lusitaniae.

 

  

 

Anotação:

 

Na vila de Algodres eram cobrados os direitos reais devidos no vasto termo desse concelho e em concelhos limítrofes.

 

Mons. Pinheiro Marques (MARQUES, 1938, p. 288) afirma que: “em Algodres funcionavam também os serviços de lançamento e cobrança de cisas e décimas, se não de todos os outros concelhos da região, pelo menos do de Figueiró da Granja” (cf., no mesmo sentido, p. 17 e 66).

 

 

 

Este Alvará documenta que, à semelhança de outras autoridades secundárias existentes nas povoações do termo, foi autorizada, em 1657, a eleição, para cada lugar do concelho, de um “Recebedor pequeno”, reportando ao Recebedor da Siza da sede do concelho.

 

 

 

Este documento encontra-se depositado na Torre do Tombo, Registo Geral de Mercês, Chancelaria de D. Afonso VI, liv. 4, fl. 69v – ref. PT-TT-RGM/01/333199   (v. TT OnLine).

 

Bibliografia:  v. entradas de 2005-05-09.

 



publicado por algodrense às 00:02
link desta entrada | comentar | favorito

7 comentários:
De Joao Rocha Nunes a 16 de Julho de 2006 às 22:09
A carta é de facto do corregedor da Guarda - peço desculpa pelo erro que cometi; só hoje tive possibilidade de ler o verso da carta. Aliás não existia qualquer correição em Linhares no século XVI. Nesse sentido, Algodres pertencia à comarca da Guarda em inícios do século XVI, embora fosse terra dos Condes de Linhares. A correição da Guarda foi criada em 1534(José Mattoso, História de Portugal, vol III, p. 37).


De Nuno Soares a 16 de Julho de 2006 às 18:10
Caro Dr. João Rocha Nunes: Muito obrigado pela correcção. A transcrição do documento será por certo esclarecedora e do maior interesse. Um grande abraço do,


De Joao Rocha Nunes a 14 de Julho de 2006 às 19:11
Por lapso, a Torre do Tombo catalogou este documento como se Algodres fizesse parte da comarca da Guarda no século XVI. Trata-se de um erro de transcrição. Pela leitura do original percebe-se que Algodres, no século XVI, era “terra e jurisdição do conde de Linhares”. Nesse sentido, na primeira metade do século XVI, Algodres pertencia de facto ao Condes de Linhares. Outro lapso tem a ver com a datação do documento – a data é efectivamente 23 de Abril de 1538 e não, como se refere no site da Torre do Tombo, 23 de Abril de 1548. No decurso dos próximos dias penso transcrever o documento e enviá-lo para publicação no Blog. Um abraço.


De Nuno Soares a 14 de Julho de 2006 às 10:42
E em 1548 Algodres estaria na Comarca da Guarda. Existe na Torre do Tombo uma carta, de 23 de Abril de 1548, do Corregedor da Guarda, "em que dá conta ao rei que indo em correição ao Concelho de Algodres achara um tabelião culpado em grandes culpas e erros e para devassa dele lhe era necessário provisão” (ref. PT-TT-CC/1/80/81).
O documento está digitalizado e disponível na TT OnLine, mas preciso de ajuda de um entendido em paleografia para o conseguir transcrever...


De a. cardoso a 13 de Julho de 2006 às 14:43
Caro Nuno:
De facto o monsenhor refere-se a esse facto, so que eu nao sabia que anteriormente Algodres teria pertencido a Pinhel.


De Nuno Soares a 13 de Julho de 2006 às 14:12
Caro Albino: obrigado pelo seu comentário. Destas épocas, pouco sei, mas julgo que as Comarcas foram sendo reorganizadas (aumentando geralmente em número) em especial a partir do séc. XVIII. Não havendo dúvidas de que estes alvarás régios se referem a Algodres do actual concelho de Fornos - uma vez que Algodres de Figueira de Castelo Rodrigo nunca foi concelho - conclui-se que então o concelho de Algodres pertencia à Comarca de Pinhel. Pinheiro Marques diz que Algodres ficou a pertencer à Comarca de Linhares "pela remodelação de 1790 e 1793" (p. 136). Um forte abraço do,


De a. cardoso a 13 de Julho de 2006 às 11:00
Caro Nuno:
Sempre a surpreender-nos.
Tanto quanto tinha conhecimento o concelho de Algodres pertencia a comarca de Linhares ate a extincao deste, parece que afinal nao era assim, pois nessa altura pertencia a de Pinhel.
Bem haja por repor a verdade.
Um abraco.


Comentar post

pesquisar
 
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


entradas recentes

...

Sobral Pichorro e Fuínhas...

...

Freguesia de Muxagata no ...

...

Freguesia de Maceira no C...

...

...

Freguesia de Fornos de Al...

...

links
temas

abreviaturas

algodres

alminhas

bibliografia (a - f)

bibliografia (g - r)

bibliografia (s - z)

bibliografia algodrense

capelas

casal do monte

casal vasco

castro de santiago

cortiçô

crime e castigo

documentos

estatuto editorial

estelas discóides

figueiró da granja

fornos de algodres

fortificações

fraga da pena

fuínhas

heráldica

humor

índice

infias

invasões francesas

juncais

leituras na rede

lendas e tradições

maceira

marcas mágico-religiosas

matança

migração do blog

mons. pinheiro marques

muxagata

notícias de outros tempos

personalidades

pesos e medidas

publicações recentes

queiriz

quinta da assentada

ramirão

rancozinho

sepulturas escavadas na rocha

sobral pichorro

toponímia

vias romanas

vila chã

todas as tags

arquivos

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

blogs SAPO
mais sobre mim
subscrever feeds
Redes

Academia

Facebook

LinkedIn