História e Património das "Terras de Algodres"
(concelho de Fornos de Algodres)
ed. Nuno Soares
Contacto: algodrense(at)sapo.pt
Quarta-feira, 26 de Outubro de 2005
"Errata" à “História Religiosa de Portugal”

Igreja Matriz.jpg 

 

Igreja Matriz de Algodres   -   Postal,  ed. Paróquia de Algodres.

 

  

 

A monumental História Religiosa de Portugal, organizada pelo Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa (AZEVEDO, 2004) é uma obra de referência fundamental a que certamente aqui recorreremos com alguma frequência.

 

 

 

Constatámos, porém, que no capítulo “O espaço eclesiástico em território português (1096-1415)”, da autoria do Prof. Doutor Bernardo de Sá Nogueira (AZEVEDO, 2004, vol. 1, pp. 142-201), estão omitidas igrejas então existentes nas  “Terras de Algodres”, desde logo a mais importante, a igreja de Santa Maria Maior, matriz de Algodres. 

 

 

 

Reportando-se às igrejas de “Aquém-Monte”, da diocese de Viseu, o autor refere apenas, na área do concelho de Fornos de Algodres, as igrejas da Matança e de São Miguel de Fornos de Algodres (AZEVEDO, 2004, vol. 1, p.171).  Trata-se, possivelmente, de um lapso - ou de uma opção no mínimo discutível.  A listagem apresentada teve assumidamente como fonte principal a conhecida lista de igrejas de 1320-1321, publicada por Fortunato de Almeida (ALMEIDA, 1971). Nessa lista, destinada a elencar as rendas eclesiásticas doadas pelo Papa ao rei D. Dinis, pelo período de três anos, para auxílio na guerra contra os Mouros, vêm também expressamente referidas as igrejas de Santa Maria de Algodres e de São Pedro de Infias.  Decorre, aliás, dessa lista, que a igreja de Santa Maria de Algodres era uma das mais importantes – e taxadas – de toda a diocese.  Foi taxada em 250 libras, sendo que a paróquia mais taxada do bispado o foi em 350 libras, ficando a maioria das igrejas abaixo destes valores.  O peso relativo das igrejas das “Terras de Algodres” pode ser deduzido das contribuições então fixadas (ALMEIDA, 1971):

 

-         Santa Maria de Algodres  -  250 libras;

 

-         São Miguel de Fornos       -    50 libras;

 

-         Santa Maria da Matança   -    40 libras;

 

-         São Pedro de Infias           -    10 libras.

 

 

 

Contrariamente ao que supôs Mons. Pinheiro Marques (MARQUES, 1938, p. 290), a lista de igrejas de 1320 não é sequer a mais antiga referência documental conhecida à igreja matriz de Algodres.  Nas Inquirições de D. Afonso III, de 1258 (cf. PMH-INQ), já era mencionada a igreja de Algodres, como pertencendo ao padroado real:

 

“(...)F. Martini (...) dixit quod villa et ecclesia de Algodres sunt Domini Regis. (...)”

 

 

 

Pelas mesmas Inquirições, ficamos a saber que já então esta igreja era detentora de assinalável riqueza, designadamente em bens legados em testamento pelos fiéis, queixando-se o concelho do não pagamento dos foros devidos ao rei por esses bens:

 

“(...) Item, dixit quod ecclesia de Algodres habet, de testamentis, multam hereditatem forariam Regis de termino de Algodres. (...)”

 

 

 

Refere-se, inclusivamente, que a igreja de Algodres possuía uma aldeia no termo de Algodres, chamada “Soveral”, que corresponderá à actual freguesia de Sobral Pichorro (assim, A. de Almeida Fernandes, “A toponímia da Beira Alta ...”, in BA, vol. LX (2000), ns. 3-4, p. 336), sendo esta a primeira referência documental que conhecemos daquela povoação:

 

“(...) Item, dixit quod ecclesia de Algodres habet unam aldeyam in termino de Algodres, et nullum forum facit Regi.  Et aldeya vocatur  Soveral. (…)”

 

“(…) Item, dixit quod ipsa aldeya que est de ecclesia fuit de testamento et de conpara.  Et dixit quod habet ecclesia alias hereditates de testamentis forarias Regis (...)”.

 

 

 

Permitam-nos, pois, os doutos autores da História Religiosa de Portugal este reparo: a não serem citadas naquela obra todas as igrejas das “Terras de Algodres” incluídas na lista de 1320, não deveria deixar de ser mencionada a Igreja de Santa Maria de Algodres, que era, sem dúvida, a mais importante da região e matriz de diversas anexas, no termo de Algodres.

 

  

 

Bibliografia:  v. entrada de 2005-05-09.

 


temas:

publicado por algodrense às 06:30
link desta entrada | comentar | favorito

5 comentários:
De Nuno Soares a 7 de Julho de 2008 às 15:45
Anoto que tive entretanto conhecimento de outras referências documentais à Igreja de Santa Maria de Algodres, anteriores a 1258 (cf. entrada de 2008-07-07):
1208 - Num documento de 1208, em que os habitantes de Fornos reconhecem a propriedade dos frades de S. João de Tarouca sobre a “herdade” de Barraseiro no couto de Figueiró (da Granja) do mesmo mosteiro, aparece mencionado um “(...) donnum Pelagium clericum de Algodres (...)” (“Livro das Doações de Tarouca”, fl. 65 v - cf. FERNANDES, 1973-1976, vol. 86, p. 83).
1243 - No primeiro foral que foi concedido a Figueiró da Granja, outorgado pela abadia de S. João de Tarouca em 1243, refere-se, a dado passo: “(...) Et nos supradictus abbas et fraters debemus dare VII modios et sestarium panis et vini prelato Sancte Marie de Algodres ut dicat vobis missam sicut costume et est usus inter nos et illum, et quod faciat vobis habere communionem et confessionem sicut scriptum est in carta vetera quam habemus cum illo prelato de Algodres, et istud fuit per consensu episcopi. (...)” (“Livro das Doações de Tarouca”, fl. 66 e v - cf. FERNANDES, 1973-1976, vol. 86, p. 96).
Ou seja, nesse documento, o mosteiro comprometia-se a pagar ao “prelado” de Santa Maria de Algodres a assistência religiosa prestada aos moradores de Figueiró (missas, comunhão, confissão, ...), de acordo com o costume e o acordado por escrito com o dito pároco, com o acordo do bispo. Esta referência documental é mais um indício de que (contrariamente ao que vem sendo geralmente admitido - cf. MARQUES, 1938, pp. 257-258), anteriormente à delimitação do couto em 1170 (cf. AZEVEDO, 1958, p. 403; doc. reproduzido em entrada de 2008-07-06), Figueiró pertenceria à paróquia de Algodres (assim, FERNANDES, 1973-1976, vol. 86, p. 54), já que demonstra que, com a delimitação do couto de Figueiró em benefício da abadia de S. João de Tarouca, foi necessário regular, com intervenção do bispo (de Viseu), a questão da assistência religiosa (e obrigações a ela associadas), tendo-se acordado que continuaria a ser assegurada pelo pároco de Algodres, mediante um pagamento que ficava a cargo da abadia de Tarouca.


De Nuno Soares a 27 de Outubro de 2005 às 00:25
Caro Albino:
De momento não tenho informações sobre essas questões. Se entretanto descobrir alguma coisa dar-lhe-ei notícias.
Um abraço,


De a. cardoso a 26 de Outubro de 2005 às 23:46
Bem haja Nuno, creio que ate a pouco todos concordavam com Pinheiro Marques, afinal tanto ai como noutras coisas estava errado, ainda bem que o meu amigo vem repor a verdade, quanto a S. Miguel de Fornos. Ja agora sabe se havera alguma relacao entre os fidalgos de apelido Soveral de Vila Cha e de Figueiro, com Sobral (Pichorro). E nao sendo abusar sabe algo novo acerca da igreja de Vila Cha? Ja em 1525 era Na.Sa. das Bouvas Novas, no entanto o templo e romanico e muito antigo


De Nuno Soares a 26 de Outubro de 2005 às 23:33
Caro Albino:
Assim se tem dito.
Mas, salvo melhor opinião, Fortunato de Almeida limitou-se a transcrever a lista de 1320. E nas Inquirições de 1258 aparece como depoente em Fornos um "Stephanus Moniz, prelatus Sancti Michaelis de Fornos".
Quanto à Matança, nada posso acrescentar.
Um abraço,


De al cardoso a 26 de Outubro de 2005 às 22:55
Creio que Fortunato de Almeida devera ter cometido um erro ao afirmar que a Igreja de Fornos era S. Miguel, pois no seculo XIII nao tinha essa invocacao, havendo quem como o padre Luiz de Lemos creia que era S. Salvador, a invocacao de S. Miguel so aparece a partir do seculo XVI. Quanto a igreja da Matanca nao sei se estara certo em designa-la por Santa Maria, desde tempos remotos e Santa Maria Madalena, mas nao sei se seria o seculo XIII.


Comentar post

pesquisar
 
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


entradas recentes

...

Sobral Pichorro e Fuínhas...

...

Freguesia de Muxagata no ...

...

Freguesia de Maceira no C...

...

...

Freguesia de Fornos de Al...

...

links
temas

abreviaturas

algodres

alminhas

bibliografia (a - f)

bibliografia (g - r)

bibliografia (s - z)

bibliografia algodrense

capelas

casal do monte

casal vasco

castro de santiago

cortiçô

crime e castigo

documentos

estatuto editorial

estelas discóides

figueiró da granja

fornos de algodres

fortificações

fraga da pena

fuínhas

heráldica

humor

índice

infias

invasões francesas

juncais

leituras na rede

lendas e tradições

maceira

marcas mágico-religiosas

matança

migração do blog

mons. pinheiro marques

muxagata

notícias de outros tempos

personalidades

pesos e medidas

publicações recentes

queiriz

quinta da assentada

ramirão

rancozinho

sepulturas escavadas na rocha

sobral pichorro

toponímia

vias romanas

vila chã

todas as tags

arquivos

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

blogs SAPO
mais sobre mim
subscrever feeds
Redes

Academia

Facebook

LinkedIn