História e Património das "Terras de Algodres"
(concelho de Fornos de Algodres)
ed. Nuno Soares
Contacto: algodrense(at)sapo.pt
Sexta-feira, 30 de Setembro de 2005
As Forcadas e as sepulturas escavadas na rocha II

Forcadas3.JPG

 

Necrópole das Forcadas,  Matança.

 

 (colaboração de Albino Cardoso)

 

 

A dúvida acerca das sepulturas escavadas na rocha, é saber-se exactamente a sua datação, pois esta, segundo os entendidos, poderá ir do século VII até ao XII ou XIII, (mas será que são antigas, ou serão mais modernas?). Parece que existe uniformidade de opinião sobre o facto de as mais antigas serem as não antropomórficas. Sendo assim, a necrópole das Forcadas será dos tempos mais recuados, podendo ir até ao século VII, portanto antes do ano 700 da era cristã.

 

 Tanto quanto sei, todos os especialistas na matéria dizem que estas sepulturas são cristãs, pelo facto de serem da nossa era e tentam encontrar sempre conexão entre elas e algum lugar de culto dessa religião (mas os templos ou outros símbolos cristãos não poderiam ter sido construídos mais tarde e não terem nenhuma relação?). Nunca se levantaram outras possibilidades, sabendo-se no entanto que nesses tempos havia no nosso território muitas outras religiões, entre as quais: o paganismo romano, o Arianismo, o Islão, o Judaísmo e até outras religiões praticadas pelos nossos antepassados Lusitanos que devido ao facto de não existirem provas documentadas delas pouco se sabe.

 

 Se tivermos em conta essas datações, a necrópole das Forcadas tanto poderia ser cristã, como de qualquer uma dessas outras religiões. Eu pessoalmente ponho muito em dúvida que o seja, pelos factos já adiantados na outra entrada sobre o mesmo tema.

 

 O nosso povo com o seu saber milenar, muitas vezes sem muita instrução (digo instrução e não educação, porque esta é muito subjectiva), costuma referir-se a estas sepulturas como: "covas ou sepulturas dos mouros". Até pode muito bem ter razão, pois foi por essas alturas que os muçulmanos começaram a conquista da península. Haveria que investigar se era comum esse tipo de enterramento na cultura e religião do Islão. Eu pessoalmente e sem ter feito nenhuma pesquisa a fundo, não o creio, pois de acordo com essa religião o defunto tem que ser sepultado dentro de 24 horas e não creio que eles tivessem as sepulturas já escavadas a espera do cadáver. Sabe-se também que pela nossa região não existem vestígios (para além de alguns orais e topónimos) de nenhum grande  povoamento promovido por essa gente; foi mais uma região de fronteira entre o norte mais cristão e o sul mais muçulmano.  O que eu creio que a sabedoria popular quer com essa expressão dizer é que são tão antigas como antigo é o tempo em que os mouros andaram por cá.

 

 Dos romanos tampouco creio que sejam, pois eles usavam um tipo de sepultura  muito mais elaborado e tinham o hábito de colocar lápides acerca do defunto, algumas ainda hoje existentes na nossa região. No entanto, não se conhece nem se sabe que tenha existido nenhuma junto à necrópole ou a esta antiga aldeia.

 

 Quanto à religião Ariana, que foi trazida pelos Visigodos, era uma variação da cristã e estes passado algum tempo, por ser talvez politicamente mais favorável, converteram-se ao cristianismo e começaram a praticar todos os costumes dessa religião, entre os quais o enterramento dos seus mortos dentro e junto das igrejas; facto este que ainda hoje se pode comprovar na igreja de Açores, em Celorico da Beira e numa igreja em Trancoso, relativamente perto de nós.

 

 Serão então estas sepulturas dos nossos antepassados Lusitanos? Eu pessoalmente muito gostaria que isso fosse uma realidade, no entanto nada o faz supor. Primeiro, porque, tanto quanto se sabe e embora pudesse haver algumas excepções, esses povos tinham o costume de incinerar os seus mortos e não sepultá-los; por último, lá está a datação a dar esta necrópole para muito mais tarde.

 

 Seriam então sepulturas judaicas? Talvez pudessem ter sido, pois o povo Hebraico já anda na Hispania desde o tempo dos romanos, sendo de uma maneira geral um povo culto e rico e como este tipo de sepultura é dispendioso e excepcional bem poderia ser deles. Existem ainda mais alguns factos que me poderiam levar a pensar desta maneira. Nas Forcadas, como já referi, nunca existiu nenhum templo cristão, tanto quanto se saiba  ( a capela hoje existente foi construída nos anos 70 do século XX e um cruzeiro perto da necrópole ainda é mais recente) e está provado, pelas marcas nas pedras nas antigas habitações dessa aldeia, que ali viveram judeus, mais tarde convertidos a "cristãos-novos". Sabe-se também, estando isto até documentado na Bíblia, que esta gente tinha o costume de escavar os seus túmulos na rocha. Além disso, gostaria de acrescentar que relativamente perto existem indícios de povoamento do tempo romano.

 

Isto leva-me a verificar se existe algo que pudesse corroborar esta minha ideia nas outras necrópoles ou sepulturas isoladas do nosso concelho.  Vou-me unicamente referir aquelas que eu conheço pessoalmente.

 

 A necrópole de Vila Ruiva, como sabemos, encontra-se localizada nas imediações da capela do arcanjo S. Gabriel.  Esta capela foi edificada no século XX, no sítio de uma outra mais antiga. No entanto não existem nenhuns indícios de que date da baixa idade média, alturas em que os estudiosos datam esta necrópole. Portanto, ou eles erram na datação, ou a capela nada tem que ver com a necrópole. Além disto, gostaria de chamar a atenção para alguns pormenores: a necrópole da Tapada do Anjo é  cortada por um caminho antiquíssimo que se dirige para a serra e que o Monsenhor Pinheiro Marques supõe romano, afirmando que enterrado debaixo dele existe uma calçada romana; o arcanjo Gabriel  também é de certa forma venerado pelo povo judaico; e se estas sepulturas eram longe das povoações para cumprir as recomendações conciliares, então para que é preciso fazer referência à capela? 

 

 Referindo-me às sepulturas de Infias: A primeira, uma sepultura de enormes dimensões, está situada no que foi o antigo passal da abadia de S. Pedro e relativamente perto da igreja, templo este que, de acordo com a maioria senão a totalidade dos historiadores, não data senão dos séculos XIII ou XIV. No entanto também se encontra à mesma distância, senão mais perto, dos vestígios do que foi uma "villae" ou "civitas" romana. Além disso, na igreja de Infias existe uma lápide romana ao deus Mercúrio e, por curiosidade, o padre Luiz de Lemos, no seu ensaio de monografia, quando se refere a ela não lhe faz nenhuma conotação com o cristianismo. As outras duas sepulturas estão situadas mais longe da povoação e da igreja, no sopé do monte da Raza, onde existem vestígios dum castro pré-romano; ao mesmo tempo estão relativamente perto do que terá sido a "civitas" romana.

 

 Vou-me agora referir às sepulturas dos Cabeços, que ficam relativamente perto da arruinada Aldeia de Cortes, próximo da freguesia de Vila Chã de Algodres. Os entendidos na matéria datam-nas entre os séculos VIII e IX.  Não creio que estas  sepulturas sejam cristãs, pois a povoação mais perto, hoje desabitada, foi fundada no século XVI, não se conhecendo nenhuns vestígios de ocupação humana nas imediações. Também se não conhece nenhum vestígio cristão por perto e a paróquia de Vila Chã, embora bastante antiga, não creio que vá muito para lá dos séculos XIV ou XV.

 

 Concluo então as minhas dúvidas do seguinte modo: ou as sepulturas rupestres escavadas na rocha são realmente cristãs e datam de épocas muito mais recentes, havendo então um grande erro de datação, ou então não o são e, datando das épocas avançadas, serão de outros povos: Romanos, Muçulmanos, Judeus, ou outros povos autóctones sem nome.

 

 Esta obsessão de querer relacionar estas sepulturas com templos cristãos, chegou ao extremo de recentemente, na cidade da Guarda, com as obras da Praça Velha, ao descobrirem algumas, com a particularidade de terem ainda restos mortais (o que ajudaria muito a sua datação) querem ou quiseram relacioná-las com a catedral, sabendo-se (e para isso nem é preciso ser historiador) que esta catedral data dos séculos XIV ao XVI e as outras catedrais anteriores estavam localizadas numa outra área da cidade. O que sim estava nesta área da cidade, desde a idade média, era a judiaria, que foi uma das mais importantes na nossa Beira Alta.

 

Albino Cardoso

 

2005-08-30

 



publicado por algodrense às 07:23
link desta entrada | comentar | favorito

1 comentário:
De Nuno Soares a 2 de Outubro de 2005 às 19:28
Esta entrada dá sequência a uma outra que o nosso amigo Albino Cardoso aqui publicou em 08 de Agosto passado.
Embora mantenha as reservas que registei em comentário à anterior entrada, agradeço ao Albino mais esta colaboração, saudavelmente heterodoxa. As dúvidas expressas aí ficam, à consideração dos especialistas na matéria.


Comentar post

pesquisar
 
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


entradas recentes

...

Sobral Pichorro e Fuínhas...

...

Freguesia de Muxagata no ...

...

Freguesia de Maceira no C...

...

...

Freguesia de Fornos de Al...

...

links
temas

abreviaturas

algodres

alminhas

bibliografia (a - f)

bibliografia (g - r)

bibliografia (s - z)

bibliografia algodrense

capelas

casal do monte

casal vasco

castro de santiago

cortiçô

crime e castigo

documentos

estatuto editorial

estelas discóides

figueiró da granja

fornos de algodres

fortificações

fraga da pena

fuínhas

heráldica

humor

índice

infias

invasões francesas

juncais

leituras na rede

lendas e tradições

maceira

marcas mágico-religiosas

matança

migração do blog

mons. pinheiro marques

muxagata

notícias de outros tempos

personalidades

pesos e medidas

publicações recentes

queiriz

quinta da assentada

ramirão

rancozinho

sepulturas escavadas na rocha

sobral pichorro

toponímia

vias romanas

vila chã

todas as tags

arquivos

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

blogs SAPO
mais sobre mim
subscrever feeds
Redes

Academia

Facebook

LinkedIn