História e Património das "Terras de Algodres"
(concelho de Fornos de Algodres)
ed. Nuno Soares
Contacto: algodrense(at)sapo.pt
Segunda-feira, 1 de Agosto de 2005
Dicas sobre o Castelo Perdido

moeda.jpg Esta é uma das várias moedas recuperadas nas recentes escavações realizadas na praça de Algodres, junto à Igreja Matriz. Mosta três torres de um castelo. São várias com a mesma imagem. Será este o mítico Castelo desaparecido? Ainda se notam alguns vestígios do recobrimento a ouro (noutras esse recobrimento é bem mais evidente). Seria uma prática parecida com a de pintar o cavalo velho. Quem sabe não foi o que aconteceu ao velho Castelo, o qual poderá estar hoje irreconhecível sob uma qualquer cosmética moderna. As escavações que se avizinham no centro da povoação (de modo a permitirem a conclusão do empreendimento de infraestruturas) trarão certamente mais dados e, quem sabe, permitam esclarecer de vez o enigma. Não desesperem, pois, os "crentes". O Castelo existe, nem que seja seguindo as modernas filosofias da contingência, as quais postulam que "o que existe é o discurso", o qual pode ser sempre materializável (em vez de a ideia ser representação do objecto, o objecto é representação da ideia).


temas:

publicado por algodrense às 18:52
link desta entrada | comentar | favorito

4 comentários:
De Nuno Soares a 7 de Agosto de 2005 às 19:19
Caro Alcafache:
Sem prejuízo de Alcortex poder vir a acrescentar mais elementos, desde já informo o seguinte:
Segundo Mons. Pinheiro Marques (“Terras de Algodres”, 1938, p.98 – há reed. de 2001 da CMFA) o concelho de Algodres foi extinto - e passou a integrar o novo concelho de Fornos de Algodres - por Decreto de 6-11-1836.
Igual sorte tiveram os concelhos de Figueiró da Granja, Infias, Matança e Casal do Monte, na mesma data integrados no de Fornos. Foram também integradas no novo concelho Queiriz (que pertencia a Pena Verde) e as actuais freguesias de Juncais e Vila Ruiva (que pertenceram a Linhares e depois a Celorico), estas apenas em 1898.
À data da extinção, o termo do concelho de Algodres abrangia um conjunto de terras (actuais freguesias) que nele estavam integradas pelo menos desde o séc. XII: Algodres, Casal Vasco, Ramirão, Cortiçô, Vila Chã, Muxagata, Maceira, Sobral Pichorro e Fuínhas. Todas estas terras se integram no Distrito da Guarda, mas, eclesiasticamente, sempre pertenceram à diocese de Viseu.
Uma síntese (muito resumida) da história de Algodres pode ler-se na entrada aqui publicada em 19 de Maio passado. Cordiais saudações do,


De alcafache a 7 de Agosto de 2005 às 00:21
Caro 'alcortex',
Aproveito a 'descoberta' deste site/blog para lhe por três perguntas que ficarei muito agradecido se me conceder resposta ou pistas:
- quando foi extinto o Concelho de Algodres?
- que Freguesias faziam dele parte à data da sua extinção/'reorganização'?
- faziam ou fazem elas parte do mesmo Distrito (Guarda ou Viseu)?
Os meus agradecimentos e prosiga na sua pesquisa! O triste fado do Castelo de Mangualde também ficou atravessado na garganta da preservação do património, mas lá ficaram umas pedritas ...
Cumprimentos.
Alcafache


De a. cardoso a 2 de Agosto de 2005 às 05:25
Bem haja Alcortex por mais esta acha para a fogueira, tal como o editor do blog, fico a aguardar novas noticias.


De Nuno Soares a 1 de Agosto de 2005 às 19:07
Excelente e sábia "provocação", caro Alcortex.
Bem-vindo!
Aguardemos então as novas descobertas...


Comentar post

pesquisar
 
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


entradas recentes

...

Sobral Pichorro e Fuínhas...

...

Freguesia de Muxagata no ...

...

Freguesia de Maceira no C...

...

...

Freguesia de Fornos de Al...

...

links
temas

abreviaturas

algodres

alminhas

bibliografia (a - f)

bibliografia (g - r)

bibliografia (s - z)

bibliografia algodrense

capelas

casal do monte

casal vasco

castro de santiago

cortiçô

crime e castigo

documentos

estatuto editorial

estelas discóides

figueiró da granja

fornos de algodres

fortificações

fraga da pena

fuínhas

heráldica

humor

índice

infias

invasões francesas

juncais

leituras na rede

lendas e tradições

maceira

marcas mágico-religiosas

matança

migração do blog

mons. pinheiro marques

muxagata

notícias de outros tempos

personalidades

pesos e medidas

publicações recentes

queiriz

quinta da assentada

ramirão

rancozinho

sepulturas escavadas na rocha

sobral pichorro

toponímia

vias romanas

vila chã

todas as tags

arquivos

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

blogs SAPO
mais sobre mim
subscrever feeds
Redes

Academia

Facebook

LinkedIn