História e Património das "Terras de Algodres"
(concelho de Fornos de Algodres)
ed. Nuno Soares
Contacto: algodrense(at)sapo.pt
Quinta-feira, 7 de Julho de 2005
O Castelo de Algodres.

 

 

 colaboração de  Albino Cardoso

 

  

 

Sendo comprovadamente Algodres uma vila muito importante pelo menos desde o século XII, por que razão não tem, assim como as vilas vizinhas: Linhares, Celorico e Trancoso um castelo, ou ruínas dele?

 

 

 

Quanto a mim e corroborando a tradição oral teve-o: “e com as suas pedras se construiu a igreja da Misericórdia no século XVII” (MARQUES, Terras de Algodres, 1938). Questionamo-nos então: seria um castelo tão pequeno que unicamente deu para construir a igreja?

 

 

 

 Na realidade eu creio que Algodres terá sido fundada durante a romanização, tendo por sua vez os conquistadores suevos ou godos, quando convertidos ao cristianismo, aí instituído uma igreja junto a qual cresceu a povoação, por essa altura não seria muito grande mas era na igreja de Santa Maria que receberiam os sacramentos os povos já convertidos das antigas “villae fundadas pelos romanos” da nossa região.

 

 

 

É muito provável que, e embora com alguns intervalos, esta região tenha continuado a prosperar durante o domínio muçulmano: a tradição, as lendas e toponímia, entre a quais a da própria vila, a essa conclusão nos levam. Creio que terá sido a partir dessa altura que se começaria a notar a falta de algum sistema defensivo para proteger os habitantes do lugar. Nesses tempos era dentro das igrejas que se fortificavam as gentes nas povoações relativamente pequenas, pois eram edifícios sólidos e com relativamente poucas aberturas. No entanto, com o passar do tempo e com crescimento da vila, deverá ter-se construído uma torre com algumas muralhas junto da igreja, onde hoje se encontra a Misericórdia  “que o povo chama lugar do castelo” .

 

 

 

Há algum tempo atrás investigando a área e descendo pela quelha junto ao adro da referida Igreja da Misericórdia pude ver e fotografar um muro relativamente alto e que é o suporte do referido adro. Sem querer afirmar, presumo que esse muro será parte da antiga muralha do castelo de Algodres (deixo aos especialistas o estudo e a confirmação ou não deste facto),  pois  aquando da construção da referida igreja, não havendo muitos recursos e tendo até que usar as pedras do referido castelo, custa-me muito a crer que tenha sido por essa altura construída a muralha onde esta implantado o adro “e belíssimo mirante” da nossa antiga vila.

 

 

 

Esta torre e muralhas deixaram de ter sentido defensivo com o passar  dos tempos,  pois não havendo guerras e tendo a fronteira sido expandida para as “terras de Riba Côa” ao castelo de Algodres terá acontecido o mesmo que a outros que sabemos terem existido e hoje deles poucas ruínas restam, casos como: Azurara (Mangualde), Aguiar da Beira, Folgosinho, etc..

 



publicado por algodrense às 00:03
link desta entrada | comentar | favorito

1 comentário:
De Nuno Soares a 7 de Julho de 2005 às 06:47
Concordo que é muito provável que Algodres tenha tido um castelo - como afirma a arreigada tradição oral - remontando possivelmente aos tempos da Reconquista, o qual terá caído em desuso, como outros da vizinhança. Isso explicaria também que, no séc. XVII, este espaço no centro da povoação estivesse disponível para a construção da Misericórdia, igreja que, aliás, teve de se adaptar às características e constrangimentos do espaço disponível, não observando a tradicional orientação E-W. No entanto, quanto ao imponente muro que o Albino refere, pessoalmente inclino-me a considerar que se trata de um muro de sustentação de terras, possivelmente contemporâneo da construção da Misericórdia. Mas os especialistas que se dignem estudar o assunto melhor opinarão... Muito obrigado por mais esta colaboração. Cordiais saudações,


Comentar post

pesquisar
 
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


entradas recentes

...

Sobral Pichorro e Fuínhas...

...

Freguesia de Muxagata no ...

...

Freguesia de Maceira no C...

...

...

Freguesia de Fornos de Al...

...

links
temas

abreviaturas

algodres

alminhas

bibliografia (a - f)

bibliografia (g - r)

bibliografia (s - z)

bibliografia algodrense

capelas

casal do monte

casal vasco

castro de santiago

cortiçô

crime e castigo

documentos

estatuto editorial

estelas discóides

figueiró da granja

fornos de algodres

fortificações

fraga da pena

fuínhas

heráldica

humor

índice

infias

invasões francesas

juncais

leituras na rede

lendas e tradições

maceira

marcas mágico-religiosas

matança

migração do blog

mons. pinheiro marques

muxagata

notícias de outros tempos

personalidades

pesos e medidas

publicações recentes

queiriz

quinta da assentada

ramirão

rancozinho

sepulturas escavadas na rocha

sobral pichorro

toponímia

vias romanas

vila chã

todas as tags

arquivos

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

blogs SAPO
mais sobre mim
subscrever feeds
Redes

Academia

Facebook

LinkedIn