História e Património das "Terras de Algodres"
(concelho de Fornos de Algodres)
ed. Nuno Soares
Contacto: algodrense(at)sapo.pt
Segunda-feira, 30 de Maio de 2005
Metrologia medieval

Igreja-medidas.JPG

Medidas gravadas no portal axial

da  Igreja  Matriz  de  Algodres.



publicado por algodrense às 19:32
link desta entrada | comentar | favorito

3 comentários:
De Formao em Yoga a 1 de Novembro de 2007 às 12:17
Espectacular!

Deveremos conservar nossa história e preservar nosso património cultural

Abraços


De Nuno Soares a 13 de Agosto de 2007 às 18:40
Sobre este tipo de medidas-padrão lineares, gravadas em monumentos medievais, encontrei ontem, casualmente, um importante artigo do Prof. Doutor Mário Jorge Barroca, intitulado “Medidas-padrão medievais portuguesas” (v., na Bibliografia do blog: BARROCA, 1992).
Sintetizo, de seguida, alguns dos aspectos mais relevantes desse estudo, com interesse para o caso das medidas-padrão de Algodres.
O artigo inclui um inventário das gravações conhecidas de Norte a Sul do país, com indicação das respectivas medidas em cm (os casos que pessoalmente já tinha visitado estão todos incluídos nesta publicação, havendo por vezes pequenas diferenças relativamente às medidas que registei, o que é normal, desde logo porque as extremidades de algumas gravações estão erodidas e são susceptíveis de alguma interpretação).
As medidas gravadas com maior frequência são a Vara e o Côvado (que em vários casos estão associadas). Na Beira Interior, o inventário refere gravações conjuntas da Vara e do Côvado, como sucede em Algodres, em S. Martinho de Mouros, Marialva e Sortelha.
As gravações das medidas-padrão aparecem geralmente em locais/edifícios cuja natureza ajudava a sublinhar a sua legitimidade: igrejas, portas de amuralhamentos urbanos ou castelos. Na Beira Interior, à semelhança de Algodres, o inventário regista medidas gravadas em igrejas em Resende, S. Martinho de Mouros, Moreira de Rei, Sabugal e Monsanto.
Com base neste inventário, o autor questiona as equivalências apontadas na generalidade dos estudos históricos para o Palmo (20 cm) e para o Côvado (70 cm, como referido no comentário anterior), propondo que se fixem, respectivamente, nos 22 cm e nos 66 cm. O sistema seria baseado no Palmo, de 22 cm. de comprimento, do qual o Côvado (66 cm) e a Vara (110 cm) eram múltiplos, registando-se uma assinalável uniformidade de valores nas gravações encontradas em todo o território nacional, que parece apontar para uma uniformidade destas medidas já a partir dos meados do séc. XIII.
Embora as medidas gravadas na Igreja Matriz de Algodres não estejam incluídas no inventário, o artigo refere-as numa “Nota Final”, com o seguinte teor (p. 82):
“Já depois de este trabalho ter dado entrada em tipografia tivemos oportunidade de identificar um novo caso de medidas-padrão. Em Algodres, aldeia a 4 km de Fornos de Algodres, nas colunas do lado esquerdo do portal ocidental da Igreja Paroquial estão gravados o Côvado (com 66 cm) e a Vara (com 109,5 cm). Cada medida foi gravada no seu fuste de coluna, ambas arrancando da moldura superior. Trata-se, portanto, de mais um exemplo onde se associam estas duas medidas destinadas ao comércio de tecidos finos e comuns, que eleva o número de medidas-padrão sobreviventes aqui inventariadas para 31 repartidas por 20 locais distintos. O predomínio das Varas e Côvados vê-se assim ligeiramente ampliado, com 67,74% dos casos inventariados. O exemplo de Algodres vem apenas sublinhar o facto de o levantamento aqui apresentado não ser exaustivo mas tão somente um ponto de situação que, esperemos, será em breve ampliado com novos exemplos”.
Ressalvo apenas, que, como se vê na fotografia, em Algodres ambas as medidas estão gravadas no mesmo fuste, da única coluna do lado esquerdo do portal.
Este percursor e fundamental artigo do Prof. M. J. Barroca pode ser consultado on-line aqui:
http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/2182.pdf (http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/2182.pdf)


De Nuno Soares a 11 de Junho de 2007 às 08:56
O meu amigo Albino Cardoso referiu-se, em 2007-06-01, a esta entrada no seu blog: http://dalgodres.blogspot.com/2007/06/igreja-medieval-e-as-suas-funcoes.html . Transcrevo um comentário que ali coloquei:
“(...) Creio que esta gravação registava as medidas medievais de comprimento conhecidas como "Vara" e "Côvado". Por elas se aferiam as medidas que traziam os vendedores de panos. Segundo o "Dicionário de História de Portugal" (vol. V, p. 68), corresponderiam, em regra, a cerca de 1,10 m (a Vara) e 0,70 m (o Côvado).
Pelo que tenho visto, a Vara seria em geral invariável. Já o Côvado apresenta ligeiras variações locais.
As medidas da igreja matriz de Algodres (se bem medi e não me falham as notas...) têm 1,10 m e 0,67 m. No exterior da porta Oeste da muralha de Sortelha ("Porta da Covilhã") pode ver-se uma gravação semelhante, com as medidas de 1,10 m e 0,66m.`
Por vezes aparecem gravadas a vara e a meia-vara (como sucede numa das portas da muralha de Monsaraz, no lado interior - com as medidas de 1,10 m e 0,55 m).
Outras vezes aparece apenas uma das medidas. Há referências, por ex., à gravação do Côvado numa lápide existente na fachada Norte da igreja da misericórdia do Sabugal, mas é um caso que ainda não verifiquei pessoalmente. Faz-nos falta o "Arqueoblogo" Marcos Osório para ajudar a esclarecer esse caso...
(...) gostaria de revisitar estes e outros casos para registar com maior rigor este tipo de gravações de medidas-padrão.
Talvez os leitores do blog possam ir dando umas achegas!(...)”.


Comentar post

pesquisar
 
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


entradas recentes

...

Sobral Pichorro e Fuínhas...

...

Freguesia de Muxagata no ...

...

Freguesia de Maceira no C...

...

...

Freguesia de Fornos de Al...

...

links
temas

abreviaturas

algodres

alminhas

bibliografia (a - f)

bibliografia (g - r)

bibliografia (s - z)

bibliografia algodrense

capelas

casal do monte

casal vasco

castro de santiago

cortiçô

crime e castigo

documentos

estatuto editorial

estelas discóides

figueiró da granja

fornos de algodres

fortificações

fraga da pena

fuínhas

heráldica

humor

índice

infias

invasões francesas

juncais

leituras na rede

lendas e tradições

maceira

marcas mágico-religiosas

matança

migração do blog

mons. pinheiro marques

muxagata

notícias de outros tempos

personalidades

pesos e medidas

publicações recentes

queiriz

quinta da assentada

ramirão

rancozinho

sepulturas escavadas na rocha

sobral pichorro

toponímia

vias romanas

vila chã

todas as tags

arquivos

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

blogs SAPO
mais sobre mim
subscrever feeds
Redes

Academia

Facebook

LinkedIn