História e Património das "Terras de Algodres"
(concelho de Fornos de Algodres)
ed. Nuno Soares
Contacto: algodrense(at)sapo.pt
Quarta-feira, 18 de Maio de 2005
Um blog sobre quê...?

Algodres-vCastro1a.JPG

Algodres,  vista do "Castro de Santiago".

Este é um blog sobre Algodres.

Vila e sede de concelho, entre os séculos XII e XIX, Algodres é hoje uma aldeia do concelho de Fornos de Algodres, distrito da Guarda.

Administrativamente, Algodres é sede da freguesia com o mesmo nome, que abrange ainda os lugares de Rancozinho e Furtado. Tem uma área total de 10,2 Km2.

Distando cerca de 4 kms. da sede do concelho, ocupa uma posição altaneira, no rebordo de um planalto com altitude média de 700 metros. A povoação está localizada num primeiro patamar, próximo do topo da vertente de acentuado declive denominada “Barroca de Algodres”, que se integra nos limites dos planaltos centrais da Nave, no contacto com a plataforma do Mondego. Pela sua situação, do núcleo da povoação é nula a visibilidade para as terras localizadas no planalto mas, em compensação, disfruta-se de uma ampla visibilidade sobre o vale do Mondego e os contrafortes da Serra da Estrela (FERREIRA, 1978) (VALERA, 2002-2003, p. 8).

O substrato geológico é constituído por granito porfiróide de grão – grosseiro, essencialmente biotítico (cf. Carta Geológica de Portugal, fl. 17-B).

Os solos são em geral ligeiros, fáceis de cultivar e razoavelmente permeáveis, mas pouco espessos e pobres, à excepção dos vales e de algumas bolsas de terras mais espessas, em locais com menos afloramentos graníticos.

A região é rica em águas subterrâneas, abundando os poços, minas e nascentes. O planalto é sulcado por diversas ribeiras. Na plataforma do Mondego, para além daquele rio, destacam-se as ribeiras de Cortiçô e da Muxagata.

O clima é influenciado pela localização geográfica e pela altitude, com temperaturas moderadas no Verão e acentuado arrefecimento e abundantes precipitações no Inverno.

A agricultura e a pecuária continuam a marcar a actividade económica. Milho, batata, feijão, centeio, azeite, vinho e queijo de ovelha são as principais produções.

A silvicultura assume crescente importância, à medida que as terras de cultivo vão sendo abandonadas, por falta de mão-de-obra. Na floresta local predomina o pinheiro bravo, fruto de sucessivas reflorestações, que quase erradicaram a vegetação autóctone (essencialmente carvalhos e castanheiros).

Segundo os Censos de 2001 (fonte: INE – Instituto Nacional de Estatística, cit. CMFA), a freguesia tinha 450 habitantes (216 homens e 234 mulheres), dos quais 60 entre os 0 – 14 anos, 54 entre os 15 – 24 anos, 203 entre os 25 – 64 anos e 133 com mais de 65 anos.

A paróquia de Algodres está integrada no arciprestado de Fornos de Algodres e na diocese de Viseu.

 

COMO CHEGAR?

Algodres dista cerca de 4 kms. da sede do concelho, por estrada municipal asfaltada.

Para chegar a Fornos de Algodres:

- Acessos rodoviários:

Fornos de Algodres fica a cerca de 41 kms. da Guarda e 39 kms. de Viseu, cidades às quais está ligada pelo IP5.

Partindo do centro de Lisboa, a viagem envolve aproximadamente 320 kms.. Seguir pela A1, no sentido Lisboa – Porto. Próximo de Coimbra, sair em direcção ao IP3 – Viseu e continuar pelo IP3 até à saída para Guarda – Mangualde. Seguir pelo IC12 e N234 até Mangualde. Em Mangualde, seguir pelo IP5, em direcção a Guarda – Vilar Formoso, até à saída para Fornos de Algodres.

Partindo do centro do Porto, a viagem envolve cerca de 165 kms.. Seguir pela A1, no sentido Porto – Lisboa. Próximo de Albergaria–a–Velha, sair em direcção a Aveiro – Viseu. Seguir pelo IP5 no sentido Viseu - Guarda - Vilar Formoso, até à saída para Fornos de Algodres.

Há diversas carreiras de autocarros “Expresso” com paragem em Fornos de Algodres.

- Acesso ferroviário:

Estação REFER / CP de Fornos de Algodres.

Recomenda-se o comboio Intercidades Lisboa – Guarda – Lisboa.

Bibliografia e abreviaturas: v. entradas de 2005-05-09.


temas:

publicado por algodrense às 06:15
link desta entrada | comentar | favorito

1 comentário:
De Nuno Soares a 9 de Abril de 2007 às 19:17
Comentário de actualização (em Abril de 2007):

Onde se lê IP5, leia-se agora A25.

Partindo de Lisboa, pode optar-se por um acesso rodoviário alternativo, que é um pouco mais longo e eventualmente mais demorado mas que é em regra mais cómodo e seguro: seguir pela A1 no sentido Lisboa - Porto e próximo de Torres Novas seguir pela A23 em direcção à Guarda. Na Guarda, seguir pela A25 em direcção a Viseu - Aveiro, até à saída para Fornos de Algodres.

Dadas as alterações que se vão verificando no serviço ferroviário, convirá confirmar o horário dos comboios com paragem em Fornos de Algodres - Gare.


Comentar post

pesquisar
 
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


entradas recentes

...

Sobral Pichorro e Fuínhas...

...

Freguesia de Muxagata no ...

...

Freguesia de Maceira no C...

...

...

Freguesia de Fornos de Al...

...

links
temas

abreviaturas

algodres

alminhas

bibliografia (a - f)

bibliografia (g - r)

bibliografia (s - z)

bibliografia algodrense

capelas

casal do monte

casal vasco

castro de santiago

cortiçô

crime e castigo

documentos

estatuto editorial

estelas discóides

figueiró da granja

fornos de algodres

fortificações

fraga da pena

fuínhas

heráldica

humor

índice

infias

invasões francesas

juncais

leituras na rede

lendas e tradições

maceira

marcas mágico-religiosas

matança

migração do blog

mons. pinheiro marques

muxagata

notícias de outros tempos

personalidades

pesos e medidas

publicações recentes

queiriz

quinta da assentada

ramirão

rancozinho

sepulturas escavadas na rocha

sobral pichorro

toponímia

vias romanas

vila chã

todas as tags

arquivos

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

blogs SAPO
mais sobre mim
subscrever feeds
Redes

Academia

Facebook

LinkedIn