História e Património das "Terras de Algodres"
(concelho de Fornos de Algodres)
ed. Nuno Soares
Contacto: algodrense(at)sapo.pt

Segunda-feira, 9 de Maio de 2005
BIBLIOGRAFIA (A - F) (em actualização)

 

Esta bibliografia irá listar as fontes, os estudos e outros materiais publicados, que são citados nas entradas deste blog ou que foram consultados para a elaboração das mesmas.

 

 

ALARCÃO, Jorge de, (1988a),

O domínio romano em Portugal, Lisboa, Publicações Europa-América.

 

ALARCÃO, Jorge de, (1988b),

Roman Portugal, vol. II, fasc. 1 (Porto, Bragança & Viseu), Warminster, Aris & Phillips Ltd..

 

ALARCÃO, Jorge de, (1989),

“Geografia política e religiosa da civitas de Viseu”, Actas do I colóquio arqueológico de Viseu, Viseu, Governo Civil do Distrito de Viseu, pp. 305 – 314.

 

ALARCÃO, Jorge de, (1998),

“A paisagem rural romana e alto-medieval em Portugal”, Conímbriga, vol. XXXVII, Coimbra, Instituto de Arqueologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, pp. 89 – 119.

 

ALMEIDA, Fernando de, (1962),

“Arte visigótica em Portugal”, O Arqueólogo Português, Nova Série, vol. IV, Lisboa.

 

ALMEIDA, Fortunato de, (1971),

História da igreja em Portugal, vol. IV, Porto, Livraria Civilização, p. 120  (1a. ed.: 1910).

 

ALMEIDA, João de, (1945),

Roteiro dos monumentos militares portugueses, vol. 1 (Beira), Lisboa, ed. do autor   (Algodres: pp. 232-233).

 

ALMEIDA,  José António Ferreira de (coord.), (1976),

Tesouros artísticos de Portugal, Lisboa, Selecções do Reader’s Digest, p. 75.

 

ALVES, Alexandre, (1990),

A igreja de S. Julião de Azurara – Matriz de Mangualde, Mangualde, Câmara Municipal de Mangualde.

 

AMARAL, João, (2008),

História de Fornos de Algodres : da memória das pedras ao coração dos homens, Lisboa, Âncora Editora;  (banda desenhada).

 

ANGELUCCI, Diego E., TENTE, Catarina e MARTINS, Ana Rita, (2004),

“O Penedo dos Mouros (Gouveia) no seu contexto paisagístico: anotações preliminares”, Revista Portuguesa de Arqueologia, vol. 7, nº. 1, Lisboa, Instituto Português de Arqueologia, pp. 467-481.

 

ANÓNIMO, (s/d a),

“Algodres”, Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, vol. 1, Lisboa, Editorial Enciclopédia, pp. 933 – 934.

 

ANÓNIMO, (s/d b),

“Algodres”, Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, vol. 38, Lisboa, Editorial Enciclopédia, pp. 86 – 87.

 

ANTUNES, Mónica Garcez, (1994),

“Torre, Figueiró da Granja (Fornos de Algodres): notícia preliminar da campanha de 1994”, Trabalhos de Arqueologia da EAM, 2, Lisboa, Edições Colibri, pp. 263-266.

 

Arquivo Nacional da Torre do Tombo - Dicionário geográfico de Portugal, Tomo 2, memória n. 61, pp. 501-504  (manuscrito; “Memória Paroquial” de Algodres, de Maio de 1758;  disponível em TT OnLine com a ref.:  PT-TT-MPRQ/2/61).

 

AZEVEDO, Carlos Moreira (dir.), (2004),

História religiosa de Portugal, vol. 1, Lisboa, Temas e Debates.

 

AZEVEDO, Rui Pinto de, (1958),

Documentos medievais portugueses, 1º. vol., 1º. tomo: Documentos régios, Lisboa, Academia Portuguesa da História.

 

BARROCA, Mário Jorge (1987),

Necrópoles e sepulturas medievais de Entre-Douro-e-Minho (séculos V a XV), trabalho apresentado no âmbito das Provas Públicas de Aptidão Pedagógica e Capacidade Científica, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto (policopiado, 522 pp.).

 

BARROCA, Mário Jorge, (1990-91),

“Do castelo da Reconquista ao castelo românico (séculos IX a XII)”, Portugália, Nova Série, vol. XI-XII, Porto, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, pp. 89-136.

 

BARROCA, Mário Jorge, (1992),

“Medidas-padrão medievais portuguesas”, Revista da Faculdade de Letras - História, II Série, vol. IX, Porto, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, pp. 53-86   (Algodres: p. 82).

 

BARROCA, Mário Jorge, (2000a),

Epigrafia Medieval Portuguesa (862-1411), 3 vols. em 4 tomos, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação para a Ciência e Tecnologia.

 

BARROCA, Mário Jorge, (2000b),

“Aspectos da evolução da arquitectura militar da Beira Interior”, Beira Interior – História e Património (Actas das I Jornadas de Património da Beira Interior), Guarda, pp. 215-238.

 

BARROCA, Mário Jorge, (2003),

“Uma paisagem com castelos”, Arquitectando espaços: da natureza à metapolis, Porto - Coimbra, Faculdade de Letras da Universidade do Porto e Centro de Estudos Arqueológicos das Universidades de Coimbra e Porto, pp. 173-181.

 

BARROCA, Mário Jorge, (2004),

“Fortificações e Povoamento no Norte de Portugal (Séc. IX a XI)”, Portugália, Nova Série, vol. XXV, Porto, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, pp. 181-203.

 

BARROCA, Mário Jorge, (2008-2009),

“De Miranda do Douro ao Sabugal – arquitectura militar e testemunhos arqueológicos medievais num espaço de fronteira”, Portugália, Nova Série, vol. XXIX-XXX, Porto, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, pp. 193-252.

 

BARROS, Henrique da Gama, (1885-1934),

História da administração pública em Portugal nos séculos XII a XV, 5 tomos, Lisboa, Imprensa Nacional, 1ª. ed..

 

BATISTA, José David Lucas, (1990),

Manteigas, uma vila da Serra da Estrela de 1136 a 1527, Manteigas, Parque Natural da Serra da Estrela.

 

BRANDÃO, Frei António, (1632),

Quarta parte da Monarchia Lusitana …, Lisboa, Pedro Craesbeeck.

 

CAETANO, Joaquim Oliveira, (1998),

“A Virgem da Misericórdia: uma aproximação iconográfica”, Oceanos, n. 35.  Lisboa, Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, pp. 62-77.

 

CARDOSO, Pe. Luiz, (1747-1751),

Diccionario geografico, ou noticia historica de todas as cidades, villas, lugares, e aldeas, rios, ribeiras, e serras dos Reynos de Portugal, e Algarve…, Lisboa, Regia Officina Sylviana    (2 tomos;   Algodres:  Tomo I (1747), pp. 287-288).

 

CATANA, António  e  AZEVEDO, João, (2004),

Mistérios da Páscoa em Idanha, Lisboa, Ésquilo.

 

CIHAFA, (2005),

Património arqueológico de Fornos de Algodres - Inventário (CD-ROM), Fornos de Algodres, CIHAFA – Centro de Interpretação Histórica e Arqueológica de Fornos de Algodres / Município de Fornos de Algodres.

 

Codigo Administrativo, Lisboa, Imprensa Nacional, 1842.

 

COELHO, José, (1947),

“Notas arqueológicas. V. Alguns aspectos do Bronze da Beira Alta”, Beira Alta, vol. VI (fasc. 3-4), Viseu, Assembleia Distrital de Viseu, pp.209-226.

 

COELHO, José, (1948),

“Notas arqueológicas - “Cidades Mortas” - Contribuição para o estudo arqueológico e artístico da Beira”, Ethnos, 3, pp. 281 – 298   (Algodres: p. 295).

 

COELHO, José, (1949),

Notas arqueológicas. Subsídios para o estudo etnológico da Beira, 1º vol., Viseu.

 

COELHO, Levi Manuel Pinheiro Pires, (2012),

Foral manuelino de Celorico da Beira, Celorico da Beira, Câmara Municipal de Celorico da Beira.

 

COELHO, Maria Helena da Cruz e MAGALHÃES, Joaquim Romero , (2008),

O poder concelhio: das origens às cortes constituintes – Notas de História Social, Coimbra, CEFA – Centro de Estudos e Formação Autárquica, 2a. ed. revista.

 

COIXÃO, António do Nascimento Sá , (1999),

Rituais e cultos da morte na região de Entre Douro e Côa, Freixo de Numão, ACDR de Freixo de Numão.

 

Collecção de Leis e outros Documentos Officiaes publicados no 1.º Semestre de 1837  -  Setima Serie – 1.ª Parte, Lisboa, Imprensa Nacional, 1837  (pp. 328-329).

 

CONCEIÇÃO, Margarida, (1992a),

“Pelourinho de Algodres”, Inventário do Património Arquitectónico .

 

CONCEIÇÃO, Margarida, (1992b)  e  FIGUEIREDO, Paula, (2006)

“Igreja da Misericórdia de Algodres”, Inventário do Património Arquitectónico .

 

COSTA, Américo, (1929),

Dicionário corográfico de Portugal continental e insular, vol. I, Porto, Livraria Civilização.

 

COSTA, Pe. António Carvalho da, (1706-1712),

Corografia portugueza, e descripçam topografica do famoso Reyno de Portugal…, Lisboa, Officina de Valentim da Costa Deslandes  (3 tomos;    Algodres: Tomo II (1708), pp. 281-282. 2ª. ed.: Braga, Typographia de Domingos Gonçalves Gouvea, 1868-1869;  Algodres: Tomo II (1868), pp. 186 – 187).

 

COSTA, Rosa, (2008),

A lenda da Fraga da Pena, s/l, Terras de Algodres – Associação de Promoção do Património de Fornos de Algodres.

 

CRUZ, Domingos J. da, (1993),

“Monumentos megalíticos do concelho de Fornos de Algodres”, Estudos Pré-Históricos, 1, Viseu, Centro de Estudos Pré-Históricos da Beira Alta, pp. 111-112.

 

CRUZ, Domingos J. da,  CUNHA, Ana Maria Leite da  e  GOMES, Luís Filipe C.,  (1988-89),

“A Orca de Corgas da Matança (Fornos de Algodres)”, Portugália, Nova Série, vol. IX-X, Porto, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, pp. 31-47   (há separata ed. pela Câmara Municipal de Fornos de Algodres em 1990).                    

 

CURADO, Fernando Patrício, (1986a),

“Ara votiva de Furtado”, Ficheiro Epigráfico, 17 (inscrição 74), Coimbra, Instituto de Arqueologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

 

CURADO, Fernando Patrício, (1986b),

“Lápide do Ramirão”, Ficheiro Epigráfico, 17 (inscrição 79), Coimbra, Instituto de Arqueologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

 

DIAS, Luís Fernando de Carvalho, (1961),

Forais manuelinos do reino de Portugal e do Algarve, vol. 1, Beja, ed. do autor.

 

DIONÍSIO, Santana , (1985),

Guia de Portugal, vol. III, tomo II (Beira Baixa e Beira Alta), Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2a. ed., pp. 846 – 847.

 

DURAND, Robert, (1982),

Les campagnes portugaises entre Douro et Tage aux XIIe et XIIIe siecles, Paris, Fundação Calouste Gulbenkian – Centro Cultural Português.

 

DURAND, Robert, (2001),

“Châteaux et frontière au Portugal au XIIIe siècle: de la guerre à la paix”, Mil anos de fortificações na Península Ibérica e no Magreb (500-1500) – Actas do Simpósio Internacional sobre Castelos 2000, Lisboa, Edições Colibri / Câmara Municipal de Palmela, pp. 239-250.

 

EUSÉBIO, Maria de Fátima dos Prazeres, (2005),

A talha barroca na diocese de Viseu, Dissertação de Doutoramento em História da Arte apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto (policopiado).

 

EUSÉBIO, Maria de Fátima dos Prazeres, (2015),

“Recursos expositivos cenográficos e significantes para a imaginária: os retábulos barrocos na diocese de Viseu”, Beira Alta, vol. LXXIV, Tondela, Comunidade Intermunicipal Viseu Dão Lafões, pp.341-365.

 

FERNANDES, A. de Almeida, (1973-1976),

“Acção dos cistercienses de Tarouca (as granjas nos sécs. XII e XIII)”, Revista de Guimarães, vols. 83 (1973; pp. 7-76), 84 (1974; pp. 9-94), 85 (1975; pp. 7-67) e 86 (1976; pp. 5-123), Guimarães, Sociedade Martins Sarmento.

 

FERNANDES, A. de Almeida, (1999),

Toponímia portuguesa (exame a um dicionário), Arouca, Associação para a Defesa da Cultura Arouquense.

 

FERREIRA, António de Brum, (1978),

Planaltos e montanhas do norte da Beira: estudo de geomorfologia, Lisboa, Centro de Estudos Geográficos.

 

FIGUEIREDO, Paula, (2004),

“Igreja Matriz de Algodres / Igreja de Santa Maria Maior”, Inventário do Património Arquitectónico .

 

FONSECA, Teresa, (2005),

“O funcionalismo camarário no Antigo Regime. Sociologia e práticas administrativas”, Os municípios no Portugal Moderno: dos forais manuelinos às reformas libertais, Lisboa, Edições Colibri, pp. 73-86.

 

FRANKLIN, Francisco Nunes, (1825),

Memoria para servir de indice dos foraes das terras do reino de Portugal e seus domínios, Lisboa, Academia Real das Ciências, 2ª. ed..

 

  

 

BIBLIOGRAFIA   -   CONT.  (G-R)

 

  

 

BIBLIOGRAFIA   -   CONT.  (S-Z)

 

 

 



publicado por algodrense às 06:12
link desta entrada | comentar | favorito

pesquisar
 
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


entradas recentes

BIBLIOGRAFIA (A - F) (...

links
temas

abreviaturas

algodres

alminhas

bibliografia (a - f)

bibliografia (g - r)

bibliografia (s - z)

bibliografia algodrense

capelas

casal do monte

casal vasco

castro de santiago

cortiçô

crime e castigo

documentos

estatuto editorial

estelas discóides

figueiró da granja

fornos de algodres

fortificações

fraga da pena

fuínhas

heráldica

humor

índice

infias

invasões francesas

juncais

leituras na rede

lendas e tradições

maceira

marcas mágico-religiosas

matança

migração do blog

mons. pinheiro marques

muxagata

notícias de outros tempos

personalidades

pesos e medidas

publicações recentes

queiriz

quinta da assentada

ramirão

rancozinho

sepulturas escavadas na rocha

sobral pichorro

toponímia

vias romanas

vila chã

todas as tags

arquivos

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

blogs SAPO
mais sobre mim
subscrever feeds
Redes

Academia

Facebook

LinkedIn