História e Património das "Terras de Algodres"
(concelho de Fornos de Algodres)
ed. Nuno Soares
Contacto: algodrense(at)sapo.pt

Quinta-feira, 20 de Novembro de 2014
Freguesia de Fornos de Algodres no CIHAFA

Até 29 de Novembro p.f., estará patente no CIHAFA mais uma exposição temática, desta vez dedicada à freguesia de Fornos de Algodres.

 

Como não encontrei o habitual cartaz, aqui fica uma imagem histórica da sede da freguesia:

FornosAlgodres_Pelourinho.jpg

 



publicado por algodrense às 08:52
link desta entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito

Domingo, 11 de Maio de 2014
V Centenário do foral manuelino de Algodres

 

Como o meu amigo Albino Cardosoassinalou, comemora-se este ano o quinto centenário de boa parte dos forais manuelinos, entre os quais os forais outorgados a Algodres e Matança, no actual concelho de Fornos de Algodres.

 

O foral de Algodres, de 1514, tem a particularidade de estar associado a uma “trapalhada” na chancelaria de D. Manuel I.

 

No “Livro dos Forais Novos da Beira” existente na Torre do Tombo, há um primeiro registo do foral dado ao concelho de Algodres, a fls 61v, indicando que o foral foi dado em 20 de Maio de 1514 e que o original tinha 3 folhas. Depois, a fl. 81 do mesmo livro, está lavrado outro registo, com o mesmo título (“forall dado ao concelho dalgodres per el rey dom dinis”), com uma anotação marginal, posta por Fernão de Pina, indicando que foi registado em duplicado, “per erro do escrivam”; este segundo registo contém, porém, algumas diferenças no texto, data também diferente (24 de Março de 1514) e a indicação de que o original tinha 2 folhas. De assinalar que, em ambos os registos, os direitos reais a pagar pelo concelho são fixados em idêntico valor: 11.920 reais, correspondentes a 100 morabitinos de ouro de cinquenta soldos (referentes a rendas), acrescidos de 81 libras e 5 soldos (referentes a colheita), que anteriormente pagavam.

 

Não se tratando, efectivamente, de uma repetição de registos de idêntico teor, pode-se conjecturar que tenham sido lavrados com base em diferentes minutas (restando saber qual a correspondente ao foral emitido) ou, como já se alvitrou, que os registos se reportem a forais de concelhos distintos, podendo um deles ser relativo ao concelho de Fornos então existente.

 

A hipótese de um dos registos se reportar a um concelho distinto de Algodres afigura-se, porém, bastante remota. Na verdade, não se conhece outra localidade com esse topónimo que tenha sido concelho e/ou tenha recebido foral de D. Dinis. Quanto a Fornos, teve foral dado por D. Dinis em 1310, que foi objecto de confirmação por D. Manuel I em 1497, mas não é plausível que lhe possa ter sido outorgado um foral novo prevendo o pagamento de direitos reais idênticos aos de Algodres.

 

Na Idade Média, Algodres era um concelho consideravelmente mais extenso e populoso que o de Fornos, o que se reflectia na importância relativa das respectivas economias e dos tributos a pagar. Nas Inquirições de D. Afonso III, de 1258, consta que Algodres teve uma primeira carta de foro dada por D. Soeiro Mendes e que, por D. Sancho II, a renda foi fixada em 100 morabitinos, pagando ainda de 45 morabitinos de colheita, juntamente com Fornos. No foral dado por D. Dinis a Algodres, em 1311, os direitos reais foram fixados em 250 libras (pelos 100 morabitinos), acrescidos de 81 libras e 5 soldos de colheita (por 32,5 morabitinos que pagavam de colheita - parece ter sido aqui formalizada a separação da colheita paga por Fornos). Relativamente a Fornos, a confirmação, por D. Manuel I, em 1497, do foral de 1310 de D. Dinis, refere que Fornos pagava ao rei 101 libras e 16 soldos. A distinta importância das economias locais é igualmente atestada pelo peso relativo dos rendimentos das igrejas de Algodres e Fornos, como se pode ver, por exemplo, aqui.

 

Referindo-se, nos forais exarados a fls. 61v e 81 do “Livro de Forais Novos da Beira”, que o concelho devia pagar 11.920 reais, por 100 morabitinos referentes aos direitos reais e rendas e 81 libras e 5 soldos pela colheita, que antes pagavam, estas quantias só podem referir-se a Algodres e não a Fornos.

 

Assim sendo, ficam por explicar as diferenças de texto, em especial as diferenças de datas e de número de fls., constantes nos registos dos forais atribuídos a Algodres, a fls. fls. 61v e 81 daquele livro.

 

O exacto teor do foral outorgado a Algodres em 1514, só poderá ser apurado com base noutra fonte, designadamente o original enviado ao concelho ou traslado do mesmo.

 

Há alguns anos atrás, fui informado, verbalmente, de que o documento em causa não se encontraria no espólio arquivístico da CMFA, o que não será de estranhar, dado que Mons. Pinheiro Marques informa que muita da documentação dos concelhos extintos e integrados no novo concelho de Fornos de Algodres, no séc. XIX, foi então destruída (MARQUES, 1938, pp. 12-13).

 

Admitindo, em todo o caso, a possibilidade de ter ocorrido alguma descoberta recente, solicitei à CMFA, em 05 de Fev. p.p., informação sobre a eventual existência, no Arquivo Municipal, do original ou transcrição do foral enviado a Algodres em 1514. Não tendo recebido resposta, até esta data, presumo que não terá sido encontrada essa documentação.

 

Na ausência de outros elementos e a fazer fé em Fernão de Pina, o registo autêntico do foral manuelino de Algodres será o de fls. 61v do “Livro de Forais Novos da Beira”, datado de 20 de Maio de 1514.

 

No próximo dia 20 de Maio, comemora-se o V Centenário deste marco da história local de Algodres e do actual concelho.

 

(agradeço aos Drs. Pedro Pinto e José Manuel Vargas as informações prestadas sobre o tema desta entrada)

 

 

Bibliografia:

 

COSTA, Américo, (1929),

Dicionário corográfico de Portugal continental e insular, vol. I, Porto, Livraria Civilização.

 

DIAS, Luís Fernando de Carvalho, (1961),

Forais manuelinos do reino de Portugal e do Algarve, vol. 1, Beja, ed. do autor.

 

FRANKLIN, Francisco Nunes, (1825),

Memoria para servir de indice dos foraes das terras do reino de Portugal e seus domínios, Lisboa, Academia Real das Ciências, 2ª. ed..

 

LIMA, Baptista de, (1932),

Terras portuguesas, vol. I, Póvoa de Varzim, Tip. Camões.

 

MARQUES, Mons. Pinheiro, (1938),

Terras de Algodres (concelho de Fornos), Lisboa, Câmara Municipal de Fornos de Algodres  (com reed. fac-similadas em 1988 e 2001; na reed. de 1988 foi alterada a numeração das págs.).

 

Portugaliae Monumenta Historica  -  Inquisitiones, v. 1, pars 2, fasc. 6, Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa, 1917, pp. 790-791.

 



publicado por algodrense às 10:13
link desta entrada | comentar | ver comentários (4) | favorito

Sexta-feira, 3 de Janeiro de 2014
Leituras na rede: Solares e Brasões

 

O Solares e Brasões andou a fazer óptimas fotos por Terras de Algodres, como se pode ver nestas entradas:

 

- Algodres (diversos)

  

- Algodres (antigos Paços do Concelho)

  

- Fornos de Algodres (diversos)

 

- Fornos de Algodres (solar Abreu Castelo Branco)

 

- Fornos de Algodres (solar Condes de Fornos de Algodres)

  

- Fornos de Algodres (residência Condes de Fornos de Algodres – Quinta do Bogalho)

  

- Fornos de Algodres (solar Albuquerque)

  

- Fornos de Algodres (solar Corte-Real) 

  

- Fornos de Algodres (solar Costa Cabral)

  

- Fornos de Algodres (solar Rebelo Costa Cabral)

  

- Fornos de Algodres (Seminário).

 



publicado por algodrense às 20:20
link desta entrada | comentar | ver comentários (3) | favorito

Sexta-feira, 6 de Agosto de 2010
Documentos para a história de Algodres (23)

 

Relação de 1640  (cont.)

Fornos de Algodres

 

IANTT, Manuscritos da Livraria, 488, fol. 102-

 

/ [fol. 113v.º]

Fornos de Algodres

                   Esta Villa de Fornos não tem lugar algum de termo, e dista da Villa de Algodres huma legua, e da de Pinhel outo, e tem cento outenta, e tres fogos  --------------------------------------------------------------------------------------------------- 183

                   A iurisdiçao desta Villa he do conde de Linhares senhor della, e a elle pertence a datta dos officios abaixo declarados, apurar, e confirmar as eleiçõis e por elle se chamão os juises, e mais officiais de justiça

                   Ha nesta Villa hum juis ordinario que tambem serue dos orfãos pello nao auer separado dous vere/adores [fol. 114], e hum procurador do concelho os quais seruem cada anno per pilouro tirado da eleiçao dos officiais de justiça que na ditta Villa se fas de tres em tres annos na forma da ordenação, e na mesma eleição se elegem, e nomeão os escriuãis da camera, e almotaceria que ham de seruir nos dittos tres annos

                   Ha os Almotaces ordinarios, e que se elegem em camera cada anno, e seruem na forma da ordenação, e custume da ditta Villa, e nenhum delles tem ordenado

                   foy aualiada a honra de cada juis em dous mil reis e a de cada vereador em mil reis, e a do procurador em quinhentos reis

                   foj aualiada a honra de cada almotace em quinhentos reis

                   Ha hum officio de escriuão da camera, e almotaceria que se proue em camera cada anno, e anda em huma só pessoa não tem ordenado, e rendera tres mil reis

                   Ha tres tabaliãis do publico judicial e nottas que tambem seruem dos orfãos por distribuição não tem ordenado rendera o officio de cada hum quatro mil reis cada anno

                   Ha hum officio de enqueredor, contador, e distribuidor que Andam juntos em huma so pessoa não tem ordenado renderão cada anno mil reis

                   Ha hum officio de escriuão das sisas com mil reis de ordenado pagos da fazenda de sua Magestade e os mais prois e percalços renderão dous mil reis

                   O officio de juis dos orfãos rendera ao juis ordinario que o serue mil e duzentos reis cada anno não tem ordenado

                   Todos os officios de escriuais atras nomeados são da datta do ditto conde senhor desta Villa tirado o officio da camera, e almotaceria que he da apresentação, e eleicão da mesma camera e o de escriuão das sisas que he da datta de sua Magestade

Milicia

                   Ha nesta Villa huma companhia de Jnfanteria / [fol. 114v.º] Com hum capitão, hum alferes, e hum sargento e os mais officiais militares necessarios  pera ella, e nenhum delles tem ordenado, prol nem percalço, e todos se elegem em camera na forma do regimento das ordenanças

                   foy aualiada a honra do capitam em quatro mil reis, a do Alferes em dous mil reis, e a do sargento em mil reis

[…]

(Nota: algumas das formatações do texto não puderam ser transpostas para o blog).

 



publicado por algodrense às 18:27
link desta entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito

Sexta-feira, 28 de Maio de 2010
...

 

700 anos do foral dado por D. Dinis a Fornos de Algodres

 



publicado por algodrense às 23:50
link desta entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito

Domingo, 8 de Novembro de 2009
Notícias de outros tempos (5)

 

 

“A reforma administrativa ameaça tornar o paiz n’um vulcão.

 

Conselhos da mais antiga gerarchia, conselhos filhos legitimos de El-Rei D. Diniz, desapparecem na voragem titanica dos cortes administrativos.

 

O sr. João Franco não respeitando as cans d’esses Mathusalens da concelhia d’esses contemporaneos do rei poeta, extermina-os como quem extermina perús em vespera de natal, ou … certos bichos em estalagem de provincia.

 

As consequencias não se fizeram esperar.  Fornos d’Algodres protestou.

 

Mas os senhores fazem lá ideia de que é Fornos d’Algodres a protestar!  A terra do alho, a terra em que nasceu o mais armilinico dos escriptores da actualidade, a terra que primeiro contemplou o mais espicolondrifico dos philosophos, a terra que ouviu os primeiros vagidos poeticos do mais espiritual dos poetas, a terra, finalmente, que foi berço de Alberto Cantagallo, não protesta como qualquer outra.

 

Fornos d’Algodres protesta com energia, protesta á antiga portugueza, protesta furiosamente e … até hontem á noite já tinha gasto 775 em telegrammas para o Seculo.

 

Bem diz o Correio da Noite – a revolução alastra.”.

 

OAntonioMaria_18950726_p94.jpg

 

(in O Antonio Maria, 26 de Julho de 1895, pp. 91 e 94)

 

 

 

Anotação:

 

Uma das curiosidades que esta sátira suscita, prende-se com a identificação do escritor nela referido como “Alberto Cantagallo”, alegadamente nascido em Fornos de Algodres.

 

Tendo em conta o perfil traçado e o nome de “Alberto Cantagallo”, é de admitir, como hipótese de trabalho, que se trate do escritor, publicista e político Alberto Bramão (D. Alberto Allen Pereira de Sequeira Bramão, 1865-1944), à época já bastante conhecido.

 

No ano imediato, Alberto Bramão publicou o livro A rir e a sério : o cantagallo (historia veridica de seus feitos) : theatros e touros : verdades e paradoxos (Lisboa, Liv. A. M. Pereira, 1896).

 

Até ao momento, não consegui, porém, apurar o local de nascimento de Alberto Bramão, informação que é omitida nas notas biográficas publicadas na Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira (vol. 5, p. 20 e v. 39, p. 115) e no Dicionário Cronológico de Autores Portugueses (vol. II) (e ainda não tive possibilidade de consultar o Dicionário de escritores do distrito da Guarda, de Pinharanda Gomes ou outras fontes).

 

Talvez algum dos amigos leitores possa aqui esclarecer, em comentário, a questão da naturalidade do escritor Alberto Bramão. A ser certo que nasceu em Fornos de Algodres, estaríamos perante mais um ilustre filho do concelho, entretanto esquecido. Caso contrário, haverá que tentar outra interpretação para este texto d’ O Antonio Maria.

 

  

 

Aditamento:  uma dupla paródia  (2009-11-10):

 

Embora continue sem elementos para apurar o local de nascimento do escritor Alberto Bramão, julgo que esta sátira não se referirá, afinal, directamente à sua pessoa, mas sim a uma das suas criações: a personagem “Alberto Cantagallo”, que parodiava os poetas “nefelibatas” da época.  Tendo começado por ser apresentado em artigos de jornal, o pretenso poeta Alberto Cantagalo teve a sua “biografia” desenvolvida na primeira parte do livro A rir e a sério, acima citado.

 

Como ensina Fernando Guimarães (Poética do simbolismo em Portugal, Lisboa, INCM, 1990, pp. 58-59): “Outro caso curioso de paródia literária que correu por esta altura diz respeito à publicação de textos poéticos por Alberto Bramão, os quais foram atribuídos a Alberto Cantagalo. Refira-se como curiosidade que em tais textos se chega a explorar formas de natureza caligramática. Num livro publicado postumamente, Últimas Recordações (1945), há uma referência à colaboração de Alberto Bramão no jornal Universal, onde iniciara a sua “campanha de troça aos chamados nefelibatas”. Foi aí e nas Novidades que apresentou, “em artigos com amostras de versos, o grande nefelibata Alberto Cantagalo”. Este Cantagalo teria tido existência real, compondo para ele, Alberto Bramão, alguns versos que lhe eram, assim, atribuídos para que pudesse ter – como refere – “êxitos de bobo”. Apareceram então nos referidos jornais “trechos de poesia aliterante, funílica, piramidal, lunar, e até da poesia humana, isto é, versos do feitio da gente, vendo-se em forma gráfica duas figuras, uma de homem grave e outra de bailarino, para dar as duas modalidades, tristeza e alegria, que são os dois pólos entre os quais se agita o espírito de todos nós” (em nota de rodapé: Últimas Recordações, Lisboa, 1945, p. 141.)”.

 

Este texto d’ O Antonio Maria envolverá assim, ao que parece, uma dupla paródia: uma sátira aos protestos do “Portugal profundo”, que chama à colação a figura caricatural do pseudopoeta Cantagalo, criado por António Bramão.

 

Logo que me seja possível consultar o livro A rir e a sério : o cantagallo (historia veridica de seus feitos)… aqui darei conta das passagens que, eventualmente, se relacionem com Fornos de Algodres.

 



publicado por algodrense às 11:10
link desta entrada | comentar | ver comentários (3) | favorito

Sábado, 7 de Novembro de 2009
Notícias de outros tempos (3)

 

 

“A criada Benedita do sr. conselheiro Francisco Abreu Castelo Branco retirou-se para a casa paterna em Celorico, onde teve uma criança que abandonou nas rochas; quando lha levaram a casa e a mostraram, pegou numa faca e matou-se”   (Carta de Fornos de Algodres, in A Actualidade, Porto, nº. 251, 1880).

 

(notícia enviada pelo nosso Amigo Alex)

 



publicado por algodrense às 09:33
link desta entrada | comentar | favorito

Sexta-feira, 6 de Novembro de 2009
Notícias de outros tempos (2)

 

 

“O padre José Custódio, cura de Fornos de Algodres, está suspenso desde a Convenção, e não satisfeitos com isto alguns anarquistas daquela vila entraram pelo telhado da casa do dito Padre para o assassinarem, ao que pôde escapar milagrosamente”   (in Eco, Lisboa, nº. 150 (7 de Janeiro de 1837), p. 2533).

 

(notícia enviada pelo nosso Amigo Alex) 

 



publicado por algodrense às 06:19
link desta entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 5 de Novembro de 2009
Notícias de outros tempos (1)

 

 

“Na ocasião em que marchou uma força armada da Guarda Nacional de Villamendo Tavares para a vila de Fornos d' Algodres a fim de perseguir os ladrões, o seu comandante mandou atirar e derrubar as cruzes e painéis de almas que se achavam pela estrada e que a piedade dos fiéis ali tinha colocado”   (in Eco, Lisboa, nº. 112 (25 de Agosto de 1836), p. 1919).

 

(notícia enviada pelo nosso Amigo Alex)

 



publicado por algodrense às 06:31
link desta entrada | comentar | ver comentários (4) | favorito

Quarta-feira, 1 de Julho de 2009
Sugestão para as férias

 

 

CIHAFA-RA-03-2009.jpg

 

Em época de férias, valerá a pena visitar (ou revisitar!) o CIHAFA – Centro de Interpretação Histórica e Arqueológica de Fornos de Algodres, instalado no piso intermédio do Palácio da Justiça de Fornos de Algodres.

 

Para além de um museu com exposição permanente de arqueologia local, o CIHAFA disponibiliza uma biblioteca especializada, venda de publicações e apoio a visitas ao Roteiro Arqueológico de Fornos de Algodres.

 

Blog_nuno.jpg

 



publicado por algodrense às 08:05
link desta entrada | comentar | ver comentários (3) | favorito

pesquisar
 
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


entradas recentes

Freguesia de Fornos de Al...

V Centenário do foral man...

Leituras na rede: Solares...

Documentos para a históri...

...

Notícias de outros tempos...

Notícias de outros tempos...

Notícias de outros tempos...

Notícias de outros tempos...

Sugestão para as férias

links
temas

abreviaturas

algodres

alminhas

bibliografia (a - f)

bibliografia (g - r)

bibliografia (s - z)

bibliografia algodrense

capelas

casal do monte

casal vasco

castro de santiago

cortiçô

crime e castigo

documentos

estatuto editorial

estelas discóides

figueiró da granja

fornos de algodres

fortificações

fraga da pena

fuínhas

heráldica

humor

índice

infias

invasões francesas

juncais

leituras na rede

lendas e tradições

maceira

marcas mágico-religiosas

matança

migração do blog

mons. pinheiro marques

muxagata

notícias de outros tempos

personalidades

pesos e medidas

publicações recentes

queiriz

quinta da assentada

ramirão

rancozinho

sepulturas escavadas na rocha

sobral pichorro

toponímia

vias romanas

vila chã

todas as tags

arquivos

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

blogs SAPO
mais sobre mim
subscrever feeds
Redes

Academia

Facebook

LinkedIn