História e Património das "Terras de Algodres"
(concelho de Fornos de Algodres)
ed. Nuno Soares
Contacto: algodrense(at)sapo.pt

Sexta-feira, 30 de Junho de 2006
Muralhas, Castelos e Torres em Terras de Algodres

 

(colaboração de Albino Cardoso)

 

 

 

Para além do já referido "Castelo de Algodres", existem na nossa sub-região vestígios documentais, arqueológicos, toponímicos e lendários de outras muralhas defensivas, nomeadamente em Muxagata, Queiriz, Figueiró da Granja, Matança e Vila Chã de Algodres:

 

 - na Muxagata persiste entre o povo a tradição da existência do castelo, sendo o sítio da referida fortaleza identificado toponimicamente por: "Castelo".  Teria sido uma estrutura "luso-romana", tendo sido herdeiro de um castro pré-romano, servindo de defesa da povoação e da provável estrada romana com passagem por aqui.
João Almeida, na sua obra "Castelos de Portugal" (págs. 234-5), em 1945, refere a existência desta estrutura defensiva, de que existiam ainda naquela altura vestígios claros, informando que pedras do castelo podiam ser visíveis em várias construções de casas antigas e bem assim em muros de suporte e vedação.
 
- Em Queiriz, não só persiste a existência do topónimo "Castelo", como existe parte ainda relativamente bem conservada de uma muralha, que alguns estudiosos fazem recuar também à época romana.  
Fica situada num esporão, a cerca de 500m SE do marco geodésico identificado por "Castelo".
Esta estrutura defensiva faria provavelmente parte do sistema defensivo do vale do Mondego.  Tem contacto visual com o castelo de Celorico da Beira, havendo quem afirme ter sido uma atalaia do mesmo.
Este "castelo" é referido por Pinheiro Marques, em 1938, por João de Almeida, em 1945, por António Carlos Valera, em 1993 e por Adolfo Marques, em 2001.
João de Almeida refere também que a serra onde se encontra localizado se chama: "Almansor"  e que no seu sopé existe uma estrada romana.
António C. Valera informa-nos que no topo se podem ver vestígios arruinados de uma estrutura circular e, embora os artefactos encontrados não nos possam dar uma datação exacta, pela configuração da estrutura, a fazer lembrar um "opus recticulatum" romano, deverá ser romano tardio ou alto medieval.
 
- Reportando-nos agora a Figueiró da Granja, existe a leste da povoação e junto ao actual cemitério, o sítio da "Torre".  No referido local, embora sem nunca se ter efectuado uma escavação extensiva, têm sido encontrados vários artefactos e pedras indiscutivelmente romanos. Pelo que é de supor que, tal como as já referidas fortificações, a "Torre" a que a toponímia faz referência deve ter sido também uma construção romana.
Também no mesmo local  está assinalada a passagem de uma via romana, que, vindo de Viseu e passando por Infias e Fornos, por aqui se dirigia a Celorico, com atravessamento do rio Mondego pela ponte da "Lavandeira".
Há quem afirme também que neste local existiu uma "viccus" (aldeia romana) e que a referida torre seria uma "mulatio" (estância de mudança de cavalos) de apoio à via romana.
 
- Na Matança, logo à entrada da antiga vila e relativamente perto da ponte sobre a ribeira das Forcadas, existe também o sítio do "Castelo". Pessoas mais conhecedoras da localidade, entre as quais o Dr. Rocha Nunes, colaborador neste blog, já nos deram conhecimento de que embora já não persistam nenhuns vestígios materiais deste "Castelo", foram encontradas algumas pedras de silhar romano que poderiam ter-lhe pertencido.
Embora a actual ponte de um arco em volta inteira, seja provavelmente medieval, deverá ter tido fundação romana, pelo que coloco a hipótese de o referido "Castelo" ter sido algum sistema defensivo da ponte, devendo ter sido alguma muralha relativamente pequena.

 Ponte.jpg

 

Ponte  -  Matança.

 

Ainda no referente à Matança, o Professor Leite de Vasconcelos, em fins do século XIX, refere também a existência de troços de muralhas, no Monte dos Matos. No entanto, tanto o editor deste blog como o Dr. Rocha Nunes, em tempos mais recentes, tendo feito visitas ao referido monte, não identificaram nenhumas muralhas. Sem pôr em dúvida o reputado especialista, já se pensou se ele terá feito alguma confusão geográfica e se as muralhas por ele referidas serão as de S. Pedro de Matos.
 
- Quanto a Vila Chã (d'Algodres), persiste tanto na toponímia como na tradição popular a existência da "Torre", sendo ainda hoje assim identificados vários terrenos circundantes. Terá sido uma construção do baixo império romano ou alto medieval e ficava num outeiro da "Serra de Belcaide" ou da Muxagata.
João de Almeida (Castelos de Portugal, pág. 241), refere-se a esta estrutura defensiva como: "Torre da Muxagata", informando-nos, em 1945, que esta torre terá sido uma atalaia do "Castelo da Muxagata".  Na realidade, esta "Torre" deve ser identificada como de Vila Chã, pois fica situada nos limites desta freguesia, ou até mais propriamente por: "Torre de Belcaide" (ou seria do alcaide?).
Interessante também é o facto de o ponto mais alto da referida serra ser identificado como: "Cabeço do Pendão". Este topónimo é antiquíssimo, sendo referido também na "memória paroquial de Vila Cham, em 1758, pelo cura F. Melo da Costa" por "cabeço dopendam".  Sabendo-se que na Idade Média os mais importantes fidalgos (filhos de algo) eram conhecidos por "senhores de pendão e caldeira", será que este topónimo estará relacionado com algum fidalgo medieval? Provavelmente nunca o saberemos, mas sabe-se que por aqui existiram os antigos fidalgos "Soveral".  Irá esta família até à época medieval?
Já existia em 1258 a antiga aldeia de Soveral, relativamente perto desta torre, pelo que não será de descartar terem sido os "Soverais" que a terão fundado, ou dela terão retirado o apelido.

 

 Albino Cardoso

 

 2006-06-06

 



publicado por algodrense às 19:41
link desta entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 18 de Abril de 2006
O CASTELO DE ALGODRES (novamente)

Algodres-Castelo.jpg

 

  

 

(colaboração de Albino Cardoso)

 

 

 

 Já há tempos me referi ao castelo que terá existido na antiga vila de Algodres e aos possíveis vestígios dele. Volto novamente ao tema com algumas, poucas, evidências.

 

 O monsenhor Pinheiro Marques, em 1938 (“Terras de Algodres - Concelho de Fornos”, p. 248), refere a tradição da existência do castelo, informando que, estando este arruinado, com as suas pedras se construiu a Igreja da Misericórdia.  Construção essa edificada em fins do século XVIII, digo eu.

 

 Em 1945, Joaquim de Almeida (“Castelos de Portugal”, p. 232-3) refere também que em Algodres houve uma fortificação medieval, que terá sido restaurada por D. Sancho I em 1200, embora não invoque as fontes da informação. Também refere que a fortaleza, embora arruinada, só foi demolida completamente em meados do século XIX, quando a cantaria foi usada em vários edifícios e obras particulares.

 

 Ainda hoje perdura entre o povo a tradição do referido castelo, havendo até uma casa e propriedade contígua, sita junto ao templo referido, que é identificada pelo nome de: "Castelo".

 

 Embora o muro de suporte ao adro da Misericórdia possa não ser mais antigo que o século XVIII, e portanto comtemporâneo do templo, quer-me parecer ver nele incorporadas pedras que indiciam uma muito maior antiguidade do que aquela igreja.

 

 A fotografia que ilustra estas linhas, que foi tirada por mim na década de oitenta do século passado, poderá talvez trazer um pouco de luz à minha convicção, de que não havendo nela restos da antiga muralha, tem contudo pedras que foram provenientes do antigo castelo de Algodres.

 

 Albino Cardoso

 

 2006-04-08

 



publicado por algodrense às 21:27
link desta entrada | comentar | ver comentários (3) | favorito

Quinta-feira, 7 de Julho de 2005
O Castelo de Algodres.

 

 

 colaboração de  Albino Cardoso

 

  

 

Sendo comprovadamente Algodres uma vila muito importante pelo menos desde o século XII, por que razão não tem, assim como as vilas vizinhas: Linhares, Celorico e Trancoso um castelo, ou ruínas dele?

 

 

 

Quanto a mim e corroborando a tradição oral teve-o: “e com as suas pedras se construiu a igreja da Misericórdia no século XVII” (MARQUES, Terras de Algodres, 1938). Questionamo-nos então: seria um castelo tão pequeno que unicamente deu para construir a igreja?

 

 

 

 Na realidade eu creio que Algodres terá sido fundada durante a romanização, tendo por sua vez os conquistadores suevos ou godos, quando convertidos ao cristianismo, aí instituído uma igreja junto a qual cresceu a povoação, por essa altura não seria muito grande mas era na igreja de Santa Maria que receberiam os sacramentos os povos já convertidos das antigas “villae fundadas pelos romanos” da nossa região.

 

 

 

É muito provável que, e embora com alguns intervalos, esta região tenha continuado a prosperar durante o domínio muçulmano: a tradição, as lendas e toponímia, entre a quais a da própria vila, a essa conclusão nos levam. Creio que terá sido a partir dessa altura que se começaria a notar a falta de algum sistema defensivo para proteger os habitantes do lugar. Nesses tempos era dentro das igrejas que se fortificavam as gentes nas povoações relativamente pequenas, pois eram edifícios sólidos e com relativamente poucas aberturas. No entanto, com o passar do tempo e com crescimento da vila, deverá ter-se construído uma torre com algumas muralhas junto da igreja, onde hoje se encontra a Misericórdia  “que o povo chama lugar do castelo” .

 

 

 

Há algum tempo atrás investigando a área e descendo pela quelha junto ao adro da referida Igreja da Misericórdia pude ver e fotografar um muro relativamente alto e que é o suporte do referido adro. Sem querer afirmar, presumo que esse muro será parte da antiga muralha do castelo de Algodres (deixo aos especialistas o estudo e a confirmação ou não deste facto),  pois  aquando da construção da referida igreja, não havendo muitos recursos e tendo até que usar as pedras do referido castelo, custa-me muito a crer que tenha sido por essa altura construída a muralha onde esta implantado o adro “e belíssimo mirante” da nossa antiga vila.

 

 

 

Esta torre e muralhas deixaram de ter sentido defensivo com o passar  dos tempos,  pois não havendo guerras e tendo a fronteira sido expandida para as “terras de Riba Côa” ao castelo de Algodres terá acontecido o mesmo que a outros que sabemos terem existido e hoje deles poucas ruínas restam, casos como: Azurara (Mangualde), Aguiar da Beira, Folgosinho, etc..

 



publicado por algodrense às 00:03
link desta entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito

pesquisar
 
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


entradas recentes

Muralhas, Castelos e Torr...

O CASTELO DE ALGODRES (no...

O Castelo de Algodres.

links
temas

abreviaturas

algodres

alminhas

bibliografia (a - f)

bibliografia (g - r)

bibliografia (s - z)

bibliografia algodrense

capelas

casal do monte

casal vasco

castro de santiago

cortiçô

crime e castigo

documentos

estatuto editorial

estelas discóides

figueiró da granja

fornos de algodres

fortificações

fraga da pena

fuínhas

heráldica

humor

índice

infias

invasões francesas

juncais

leituras na rede

lendas e tradições

maceira

marcas mágico-religiosas

matança

migração do blog

mons. pinheiro marques

muxagata

notícias de outros tempos

personalidades

pesos e medidas

publicações recentes

queiriz

quinta da assentada

ramirão

rancozinho

sepulturas escavadas na rocha

sobral pichorro

toponímia

vias romanas

vila chã

todas as tags

arquivos

Agosto 2015

Julho 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Março 2013

Maio 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

blogs SAPO
mais sobre mim
subscrever feeds
Redes

Academia

Facebook

LinkedIn